Perspectivas suíças em 10 idiomas

Suíços buscam solução para mudança climática no Mar Vermelho

Corallo bianco
O branqueamento dos corais é um dos efeitos mais visíveis da mudança climática. Keystone / Mark Eakin

Um projeto científico e diplomático suíço para proteger e estudar os corais do Mar Vermelho, que são particularmente resistentes às mudanças climáticas, foi retomado no Sudão após uma breve pausa. A SWI swissinfo.ch conheceu o responsável do projeto, Anders Meibom, do Instituto Federal Suíço de Tecnologia Lausanne (EPFL).

Metade do oxigênio que respiramos vem dos oceanos e 80% da vida do planeta está lá. As águas também absorvem CO2 da atmosfera e atuam como um ar condicionado global.

No entanto, os mares também estão mudando e sofrendo como resultado da atividade humana, comprometendo o equilíbrio do qual nossa própria existência depende.

A comunidade internacional e o mundo científico estão trabalhando para proteger os oceanos das ameaças combinadas de mudanças climáticas, poluição e sobrepesca. Apesar de cobrir 70% da superfície da Terra, apenas 2% de todas as águas estão devidamente protegidas das atividades humanas mais destrutivas. E a meta da UNESCO de aumentar a proteção para 30% até 2030 ainda está longe de virar realidade.

A nível regional, no entanto, estão em andamento projetos para proteger os ecossistemas marinhos mais valiosos. Um deles está sendo realizado pelo Centro Transnacional do Mar VermelhoLink externo (TRSC), criado dentro da EPFL para compreender e preservar os segredos do recife do Mar Vermelho, em particular o do Golfo de Aqaba, cujos corais se mostraram particularmente resistentes às mudanças climáticas. Trata-se de um projeto que exige um esforço diplomático considerável, pois requer cooperação entre os Estados que fazem fronteira com o Mar Vermelho, que muitas vezes não são amigáveis.

Mostrar mais
CERN

Mostrar mais

Como a diplomacia e a ciência podem trabalhar juntas

Este conteúdo foi publicado em Alexandre Fasel é o representante especial da Suíça para a diplomacia científica em Genebra e explica porque se trata de uma atividade essencial para a humanidade.

ler mais Como a diplomacia e a ciência podem trabalhar juntas

Apesar de um acidente que levou ao início do aterramento do laboratório de veleiros da missão, o Fleur de Passion, o projeto continua. Durante a cúpula de ciência e diplomacia da GESDA, swi swissinfo.ch se encontrou com o diretor dinamarquês do TRSC, professor de geoquímica biológica na EPFL Anders MeibomLink externo. Ele tinha acabado de voltar do Sudão, onde estava realizando pesquisas, juntamente com pesquisadores da Universidade do Mar Vermelho de Port Sudan, em preparação para a retomada da expedição científica propriamente dita no próximo ano.

SWI swissinfo.ch: Geopoliticamente, a região do Mar Vermelho é complexa e delicada. O que motiva os diferentes países a trabalharem juntos neste projeto?

Anders Meibom: Eu acho que há uma clara consciência na região de que os recifes de coral e os ecossistemas que ele representa são de enorme interesse para os países individuais. Devemos lembrar que não se trata apenas de uma questão de biodiversidade – embora isso seja muito importante, é claro – mas também dos serviços que esse ecossistema presta às pessoas que vivem ao redor do Mar Vermelho, tanto em termos de receita pesqueira quanto turística. O turismo marinho é uma fonte essencial de renda, e é claro que se o recife de coral morresse e o ecossistema colapsar, o impacto econômico seria enorme para todos os países da região.

SWI: O que acontecerá com os dados coletados?

A.M.: O trabalho científico que planejamos realizar – e quero enfatizar que está sendo feito em colaboração direta com cientistas da região; afinal, é seu recife de coral e eles já o conhecem muito bem – serão totalmente compartilhados de acordo com os princípios da ciência aberta. Isso é uma obrigação absoluta. Se quisermos ser capazes de discutir as melhores formas de proteger o recife, todos devem ter acesso aos mesmos dados e alcançar o mesmo nível de informação. Nosso trabalho não faria sentido se não compartilhássemos os resultados de forma eficiente.

Além da ciência aberta, uma parte muito importante do projeto é a formação da próxima geração de cientistas, que assumirão o manto.

Você não acha que alguns países podem não estar dispostos a compartilhar dados com estados com os quais eles têm relações hostis?

A.M.: Isso é potencialmente verdade. É tudo uma questão de construir confiança. A Suíça e o TRSC estão organizando o trabalho científico e criando um banco de dados central para distribuir os achados. É claro que o projeto é do interesse de todos e está sendo realizado por um país como a Suíça, que não tem nenhuma participação estratégica particular na região, mas está simplesmente lá para ajudar: ajudar a região e toda a humanidade a salvar um dos sistemas de recifes mais únicos existentes, e que provavelmente será o último que resta até o final do século.

Esperamos, e de fato, esperamos, que a presença desse parceiro neutro faça com que os diferentes países concordem com o compartilhamento de dados.

SWI: Quais são os principais fatores de risco para os oceanos hoje?

A.M.: Há, naturalmente, o grande fator do aquecimento global e da acidificação dos oceanos, principalmente como resultado do CO2. Devemos ter em mente que, mesmo que as emissões humanas de CO2 cessem hoje, o planeta continuaria aquecendo por um longo tempo, já que o sistema tem grande inércia.

Mas também há fatores locais, por exemplo, fontes de poluição, que os diferentes países podem controlar dentro de seu próprio território. E aqui há um enorme espaço para melhorias.

SWI: Então o que pode ser feito?

A.M.: Em escala local é possível agir rapidamente, e estados individuais podem fazer algo. Tomando o exemplo dos recifes de corais, medidas podem ser tomadas para impedir seu mau uso e má gestão e para conter a pesca excessiva e práticas de pesca destrutivas. Podem ser promovidas melhores formas de turismo que sejam mais respeitosas com o meio ambiente.

Tudo isso requer conhecimento, supervisão e implementação. Claro que é difícil, mas pode ser feito.

Adaptação: Clarissa Levy

Adaptação: Clarissa Levy

Preferidos do leitor

Os mais discutidos

Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Participe da discussão

As contribuições devem respeitar as nossas regras. Se você tiver dúvidas ou quiser sugerir outros temas para debates, nos escreva!

SWI swissinfo.ch - sucursal da sociedade suíça de radiodifusão SRG SSR

SWI swissinfo.ch - sucursal da sociedade suíça de radiodifusão SRG SSR