Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Comissão defende integração de crianças estrangeiras

Maior acesso ao conhecimento como forma de integração.

(Keystone)

Os suíços têm uma falsa idéia das crianças e adolescentes de origem estrangeria e é preciso corrigir essa imagem.

A Comissão Federal pela Juventude (CFJ) propõe um contrato de integração entre os jovens estrangeiros, a sociedade civil e os políticos.

Uma semana depois do Parlamento aprovar a naturalização automática para os imigrantes da terceira geração, o estatuto dos estrangeiros pode ter novas modificações na Suíça.

Ao apresentar, terça-feira, em Berna, o estudo « Qualidades a reconhecer e valorizar », a Comissão Federal pela Juventude (CFJ), anunciou que pretendem instituir um pacto acerca das crianças e adolescentes estrangeiros.

A CFJ é uma comissão extra-parlamentar, composta por especialistas e convocada pelo Ministério do Interior.

Um pacto pela integração

Esse relatório visa estabelecer novas bases para integração analisando a política suíça para as crianças e jovens.

A proposta é ambiciosa na medida em que pretende responsabilizar a sociedade suíça do dever de integração, através de uma atitude mais aberta em relação aos jovens estrangeiros.

Em contrapartida, estes se comprometem a conhecer a cultura suíça e a respeitar a ordem jurídica do país.

Corrigir a percepção dos Suíços

Isso é necessário devido a evolução recente das mentalidades. Segundo os dados da CFJ, os suíços têm uma falsa imagem das crianças e adolescentes estrangeiros.

Segundo a Comissão, "as crianças e adolescentes estrangeiros, com suas competências e talentos, poderiam desempenhar um papel muito mais importante na sociedade ».

Para isso, é preciso que eles queiram mas também que llhes seja permitido", afirma o relatório.

"Um estatuto precário, conflitos de valor entre a cultura de origem e a de adoção, situação econômica difícil e um ambiente político pouco favorável freiam a socialização das crianças e jovens de origem estrangeira », afirma o presidente da CFJ, Leo Brücker-Moro.

Trocas culturais em questão

Todos esses elementos não favorecem o diálogo intercultural e as administrações municipais são freqüentemente ultrapassas no trato dessas questões, constata a CFJ.

A Comissão propõe, entre outras medidas, um acesso mais fácil à formação profissional para os jovens estrangeiros, maior possibilidade de participação e naturalização facilitada.

»O objetivo é permitir que eles tenham perspectivas de futuro », afirma a secretária da CFJ, Marion Nolde e por isso são necessários compromissos.

O primeiro é que os pais conheçam a língua da região da Suíça onde estão para poder acompañar o processo de integração dos filhos.

swissinfo com agências

Breves

- En 2001, 43 % das crianças que nasceram na Suíça tinham um ou os dos pais de nacionalidade estrangeira.

- 25% dos jovens de menos de 20 que vivem na Suíça têm nacionalidade estrangeira.

- Três quintos desses jovens nasceram na Suíça.

- 39 % deles provém de países da União Européia e da AELE (14% da Itália); 37% da ex-Yugoslávia, 8% da Turquia e 16% de outros países.

- No final de 2002, a metade dos refugiados (permissão F) tinha menos de 20 anos.

Aqui termina o infobox

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.