Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Como sobreviver a uma avalanche?

Médicos tentam reanimar uma vítima de avalanche em 21 de fevereiro de 2000 numa área próxima a Davos.

(Keystone)

De frente para montanhas, turistas atravessam pistas de esqui nos seus “snowboards”. O sonho de inverno também tem seu lado de pesadelo nas avalanches.

Se no passado as pessoas soterradas não tinham quase chances de sobreviver, hoje técnicas modernas permitem o salvamento.

Numa noite de reveillon na Suíça um turista foi retirado ainda vivo da montanha de neve que o havia soterrado. A operação foi quase um milagre, já que a pessoa ficou mais de quatro horas enterrada na massa branca. A equipe de socorro eram treze membros e quatro cachorros do Clube Alpino Suíço (SAC).

“Nesse caso o turista teve muita sorte”, conta Eveline Winterberger, médica do Serviço de Salvamento nas Montanhas (Rega). “Quando uma pessoa fica tanto tempo soterrada na neve, é necessário que ela tenha a possibilidade de respirar. Senão a vítima acaba morrendo asfixiada, antes da equipe de salvamento conseguir retirá-la”.

Chances de sobrevivência

Dados estatísticos mostram que dois terços das vítimas de avalanches não sobrevivem, depois de meia hora embaixo da neve. Elas acabam asfixiadas. A neve bloqueia as vias respiratórias e impossibilita a respiração.

“Porém se alguém sobrevive mais de meia hora, é mais fácil então suportar um certo tempo embaixo da neve”, explica Winterberger. A sobrevivência é possível, quando na massa de neve se forma uma cavidade contendo ar. “O soterrado podem respirar, mas vão esfriando aos poucos até perder a consciência”.

Quatro horas depois da avalanche, quando o turista foi desenterrado da massa de neve nessa região próxima ao cume da montanha “Jungfrau”, a temperatura do seu corpo estava abaixo dos 29 graus. A pessoa estava inconsciente e tinha problemas no batimento cardíaco.

Progressos na medicina

Há alguns anos o lema era esquentar o corpo da vítima de uma avalanche por fora. Porém o sucesso era reduzido: nesse método a circulação é estimulada e o sangue frio chega das extremidades do corpo no coração. Este fica ainda mais frio e o resultado é a paralisação dos batimentos cardíacos e a morte.

Novas técnicas na medicina são capazes atualmente de aumentar as chances de sobrevivência das vítimas de avalanches. No caso do turista que ficou quatro horas embaixo da neve, os médicos esquentaram a vítima com oxigênio quente. O calor atravessou os pulmões e chegou, dessa forma, no tórax, próximo ao coração. Ao mesmo tempo, seu corpo foi coberto com cobertores de aquecimento, que impediam mais esfriamento. Também foram colocadas bolsas de água aquecida sobre o tórax e ao lado das costelas.

Esse método provou sua eficácia. Quando a temperatura do paciente aumentou para 31 graus, ele recuperou sua consciência. Ao chegar no hospital, a temperatura já estava em 35 graus.

Reanimação em casos graves

Porém a salvação de vítimas de avalanches não é sempre descomplicada. “No caso de um paciente cuja circulação e batimento cardíaco estão paralisados, a temperatura do seu corpo está quase sempre abaixo dos 28 graus. Nesse caso sou obrigada a reanimá-lo. Para isso, tenho que levá-lo de helicóptero para um hospital que disponha de uma máquina respiratória. Ao mesmo tempo vou esquentá-lo aos poucos. Depois é possível avaliar se ele tem chances de sobreviver ou não”.

Se o paciente ainda consegue falar e treme de frio, então ele está apenas levemente congelado. “Se ele ainda pode dar informações claras, então dou chá quente e levo-o para ser observado num hospital”, explica a médica.

Quando o paciente está consciente, porém já não treme, então a situação é mais séria. A temperatura do seu corpo deve estar provavelmente abaixo dos 32 graus. Ele deve ser retirado de forma cuidadosa da neve e não pode se resfriar mais ainda. Ele também não deve se movimentar, como subir por si só no helicóptero.

“O paciente será levado para uma unidade de tratamento intensivo. Sempre temo que, nessas situações, a vítima possa ter disfunções cardíacas. Em alguns casos é mesmo necessária uma reanimação”.

Decisão de vida ou morte

No melhor dos casos, um médico de salvamento pode levar em helicóptero a vítima soterrada de uma avalanche para um hospital com máquina respiratória e, no local, tentar reanimá-la.

Porém quando são descavadas várias vítimas da neve e não é possível levá-las de helicóptero para o hospital devido ao mau tempo, por exemplo, então os médicos devem escolher os pacientes que ainda têm mais chances de sobreviver, depois de aquecidos e reanimados.

swissinfo, Etienne Strebel
tradução de Alexander Thoele


Links

×