Fim de reserva pode provocar falta de álcool para desinfecção

Muitas destilarias na Suíça pararam de produzir licores ou aguardente para se voltar à produção de gel desinfetante. Na foto: a destilaria Morand, em Martigny, no sul da Suíça. em 31 de março. Keystone

Segundo a imprensa suíça, o abandono das reservas de emergência há dois anos pode provocar a escassez de etanol utilizado para a produção de gel desinfetante, um produto atualmente em falta.

Este conteúdo foi publicado em 07. abril 2020 - 16:00
Reuters/ts

O governo suíço mantém reservas de emergência para diversos insumos básicos, seja café, trigo, arroz ou até óleo de cozinha. Porém, em 2018, decidiu privatizar o mercado de álcool e não armazenou mais o etanol. A informação foi publicada pelo jornal Tages-Anzeiger, na segunda-feira (07.04).

A decisão contribuiu para a escassez de produtos desinfetantes, dentre eles o álcool gel, um produto que desapareceu há semanas das prateleiras de muitos supermercados à medida que as pessoas faziam compras emergenciais. A escassez levou destilarias, farmácias e até cervejeiras a fabricar o produto.

Alguns políticos suíços consideram que a escassez do etanol poderia ter sido evitada. "Como uma matéria-prima importante como o álcool possa faltar em plena pandemia", pergunta-se Alois Gmür, do Partido Democrata-Cristão (PDC). Outros afirmaram que a questão precisa ser abordada após a crise do coronavírus. Para representantes do Partido Socialista (PS), o país necessita investir em reservas de emergência de etanol ao invés de gastar seis bilhões de francos suíços na compra de aviões militares, como em planejamento, criticaram.


Conteúdo externo



​​​​​​​

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo