Eficiência ou marketing? O gigante ferroviário suíço, em números

Os trens da SBB/CFF (Ferrovias Federais da Suíça) chegam a transportar até 1,25 milhões de pessoas por dia. © Keystone / Jean-christophe Bott

Em termos de passageiros transportados, pontualidade e segurança, as Ferrovias Federais Suíças são as mais eficientes da Europa. No entanto, não faltam críticos que denunciam a deterioração da oferta.

Este conteúdo foi publicado em 18. setembro 2019 - 11:00

A Suíça possui uma das mais longas e densas redes ferroviárias do continente, com um total de cerca de 5100 quilômetros de trilhos. A maioria das linhas (cerca de 3200 km) é gerida pelas Ferrovias Federais Suíças (SBB na sigla em alemão, CFF em francês). Fundada em 1902, a empresa estatal tornou-se uma sociedade anônima em 1999.

A rede ferroviária suíça é a melhor da Europa em termos de número de passageiros transportados, pontualidade, quilômetros percorridos por passageiro e acidentes, de acordo com o Índice Europeu de Desempenho Ferroviário. Mas o que as estatísticas não mostram é uma insatisfação crescente, tanto entre os viajantes como entre o pessoal. Este é um desafio que o novo chefe da SBB terá de enfrentar, depois que Andreas Meyer, que está no cargo desde 2007, anunciou sua renúncia no final de 2020.

Passageiros e quilômetros percorridos

End of insertion

Os trens da SBB transportam até 1,25 milhão de passageiros por dia. Desde a introdução do horário regular em 1982, o número de passageiros tem aumentado constantemente. A SBB transporta mais de 450 milhões de pessoas por ano.

Conteúdo externo


Com uma média anual per capita de 2451 quilômetros, os habitantes da Suíça percorrem as maiores distâncias da Europa de comboio. Desde junho de 2016, os passageiros dos trens que atravessam os Alpes podem utilizar o Túnel de Base do Gotardo, o túnel ferroviário mais longo do mundo (57 km).

Conteúdo externo


Trens e infraestrutura

End of insertion

Com o aumento da procura, o número de trens também aumentou. Todos os dias, mais de 10.000 comboios circulam na rede SBB, 83% dos quais são de passageiros.

Conteúdo externo


Apesar das intervenções realizadas nos últimos anos, a rede ferroviária está próxima de atingir novamente os seus limites de capacidade em muitas linhas. Como parte do projeto "Etapa de Planificação 2035", o Parlamento aprovou investimentos de cerca de 13 bilhões de francos suíços.

Preços

End of insertion

Mas o aumento da oferta tem um custo, que é repassado aos usuários. Para viajar de Berna a Zurique de trem, percorrendo uma distância de cerca de 100 quilômetros em menos de uma hora, custa hoje 51 francos, 20 a mais do que em 1990.

Conteúdo externo


O aumento também afeta o passe anual de transporte (GA), cujo preço quase dobrou em 30 anos. O passe é válido em todas as linhas da SBB e na maioria das ferrovias do país. Ele também fornece acesso a ônibus, bondes, barcos e descontos em muitas ferrovias de montanha.

Conteúdo externo


Pontualidade

End of insertion

Mais de 90% dos passageiros chegam ao seu destino a tempo. No entanto, as estatísticas da SBB devem ser analisadas cuidadosamente: baseiam-se numa percentagem de passageiros e não no número de trens que cumprem os horários.

Conteúdo externo


Outra estatística compilada por um cientista da computação chega a conclusões diferentes: em muitas linhas, mais de 20% dos trens apresentam atrasos de mais de três minutos. Sob pressão política, a SBB deverá introduzir um novo sistema de reembolso em caso de atraso.


Segurança e acidentes

End of insertion

Apesar dos atrasos, o cliente pode ficar satisfeito com a segurança da rede ferroviária suíça. Embora o número de descarrilamentos tenha permanecido quase constante ao longo dos anos, as colisões de comboios diminuíram significativamente desde 2012.

Conteúdo externo


No entanto, o recente acidente com uma porta defeituosa que matou um controlador da SBB trouxe a questão da segurança ferroviária de volta ao primeiro plano.

Nos últimos anos, a qualidade da oferta tem vindo a diminuir constantemente devido a inúmeros programas de redução de custos, denuncia o Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes (SEV). A Comissão dos Transportes da Câmara Baixa do Parlamento Federal também solicitou à SBB que fizesse mais pela exploração e manutenção normais das infra-estruturas.


Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo