O que esperar da Suíça após a votação?

​​​​​​​

O grande vencedor das eleições foi o Partido Verde, que ganhou 17 cadeiras adicionais na Câmara dos Deputados Keystone / Samuel Golay

Os votos foram lançados e os resultados contabilizados. Verdes, mulheres e agenda progressista foram as manchetes desta eleição. O que significa esta votação histórica para o futuro da Suíça?


1.  Mais responsabilidade com o meio-ambiente

End of insertion

As grandes conquistas do Partido Verde e dos Verdes liberais mostraram que muitos cidadãos suíços querem que a política vá além do seu próprio quintal. "Agora, de repente, entra em jogo uma nova força que tem um forte mandato eleitoral sobre o clima", disse a presidente do Partido Verde, Regula Rytz, em entrevista à revista online Watson (em alemão).

A principal mensagem é que a Suíça deve se abrir internacionalmente e desempenhar um papel mais forte no combate à crise climática. A natureza global e a dimensão da ameaça significam que a Suíça tem um dever. É um país pequeno, mas tem muito a contribuir em termos de conhecimento e tecnologia e, acima de tudo, recursos suficientes para desenvolver soluções.

Para a Suíça, há agora um mandato para se tornar um modelo a seguir, um pioneiro e um laboratório para outros países.

2. Grandes mudanças trazem novas dinâmicas políticas

End of insertion

Quando há uma mudança política, normalmente basta falar de alguns pontos percentuais. Mas as mudanças foram grandes - e mais do que o esperado. O maior vencedor foi o Partido Verde, que ganhou 17 cadeiras adicionais na Câmara dos Deputados. O maior perdedor - o Partido Popular Suíço - perdeu 12 assentos.

Isso pode parecer modesto em comparação com outros países europeus que viram bases inteiras de partidos políticos estabelecidos corroer e novos movimentos políticos garantirem vitórias. Mas essas vitórias e perdas são enormes para os padrões suíços.


3. É hora de romper as barreiras ao progresso

End of insertion

Muitos suíços ficaram desapontados com o trabalho do parlamento na última legislatura, que pouco ou nada avançou em várias questões importantes. As questões não resolvidas incluem como lidar com o aumento dos custos de saúde, as relações com a União Europeia e uma revisão sustentável do regime de aposentadoria e previdência.

Durante anos, os eleitores aceitaram a lenta agitação da política e optaram por pequenos passos em vez de uma revolução.

Mas nesta nova constelação, os obstáculos podem ser ultrapassados, especialmente no que diz respeito à política e aos cuidados de saúde europeus. Espera-se também uma nova lei sobre o CO2. O desejo deste novo parlamento é encontrar o caminho de volta para um bom compromisso suíço.


4. O status quo tem seu preço 

End of insertion

As grandes questões não resolvidas da Suíça estão no gelo há anos. Em primeiro lugar, temos o acordo-quadro com a UE, sobre o qual nenhum político quis tomar uma posição forte durante a campanha eleitoral, correndo o risco de pagar o preço por isso. Espera-se que o novo parlamento faça progressos no combate às alterações climáticas e à redução da biodiversidade, mas há muitas outras questões urgentes para as quais a Suíça ainda nem sequer começou a encontrar respostas.

As mudanças demográficas estão envelhecendo a sociedade e aprofundando o fosso geracional. A digitalização está consumindo empregos e dividindo a população em vencedores e perdedores. Há também mudanças geográficas em curso, com divisões crescentes entre as cidades em rápido crescimento e as zonas rurais. Há também muitas questões em que o país ficou preso num beco sem saída, incluindo a agricultura, os cuidados de saúde e a política monetária. Se forem ignorados, há uma ameaça de colapso.


5. Os apelos à igualdade de gênero estão sendo ouvidos

End of insertion

Cerca de meio milhão de mulheres saíram às ruas durante a greve nacional de mulheres em junho para exigir igualdade de gênero. Nunca antes tantas mulheres concorreram a assentos parlamentares como nestas eleições, e ambas as câmaras terão mais assentos ocupados por mulheres. No nível cantonal, as mulheres fizeram história. Os cantões de Obwalden e Zug serão representados por mulheres pela primeira vez. A proporção de mulheres também aumentou em pelo menos sete dos 26 cantões do país.

Flavia Kleiner, co-presidente do grupo de jovens ativistas Operação Libero, disse que foi um bom dia para a democracia. Os ganhos para as candidatas mostram que "a consciência aumentou". Não basta que os homens tenham boas intenções. As mulheres não querem deixar que os homens as representem. A democracia é melhor se ambos os sexos forem representados igualmente", disse Kleiner.

6. Suspense sobre o futuro do governo federal 

End of insertion

Com um resultado eleitoral tão radical como este, o assunto agora é a composição do Conselho Federal (o poder executivo ou gabinete). A presidente do Partido Verde, Regula Rytz, exige agora um assento no executivo para o seu partido. Mesmo que haja alguma legitimidade na demanda, não há urgência, dizem os outros partidos. 

Na Suíça, não há tradição de remover membros do gabinete. Depois dessas eleições, o parlamento é agora um pouco mais guinado à centro-esquerda, mas o governo inclina-se para a direita. A discussão já foi iniciada, mas não levará a nenhuma decisão até a eleição do novo governo em 11 de dezembro.


Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo