Navigation

Empresa e fundação suíças combatem câncer no Brasil

Fachada do prédio do Instituto Nacional do Câncer no Rio de Janeiro. inca.gov.br

Logo após assumir a Presidência do Brasil, Dilma Rousseff anunciou como uma das prioridades de seu governo na área da saúde a melhoria das condições de prevenção e tratamento do câncer no país.

Este conteúdo foi publicado em 15. novembro 2011 - 18:37
Maurício Thuswohl, Rio de Janeiro, swissinfo.ch

Anunciada em março pelo Ministério da Saúde, a Política Nacional de Atenção Oncológica prevê investimentos de R$ 4,5 bilhões no combate à doença até 2014.

Em sua primeira fase, as políticas públicas estarão voltadas a dois tipos de câncer: o de mama e o de colo do útero, que são os tumores com maior incidência entre as mulheres brasileiras, tendo provocado respectivamente 11.813 e 4.873 vítimas fatais em 2008, segundo a última estatística consolidada.

As instituições que lutam contra o câncer no Brasil têm na Suíça uma parceira permanente e contam tanto com o apoio financeiro quanto com a expertise tecnológica oferecidos pelos suíços. Algumas iniciativas de destaque ao longo de 2011 têm a participação de grandes empresas do setor farmacêutico, como a Novartis, ou de tradicionais atores da cooperação internacional, como a Swiss Bridge Foundation.

A Novartis anunciou que este ano está investindo R$ 39,1 milhões em estudos sobre o câncer no Brasil. A Unidade de Oncologia da empresa no país, segundo sua direção, teve um aumento de 46% em seu orçamento para pesquisa e desenvolvimento. O principal foco de interesse da Novartis é justamente o câncer no colo do útero, e estudos sobre essa modalidade da doença estão sendo desenvolvidos em parceria com o Instituto Nacional do Câncer (Inca).

A empresa suíça também marca presença na saúde pública brasileira com a distribuição de um de seus medicamentos, o Glivec, que desde abril é fornecido aos pacientes com câncer do Sistema Único de Saúde (SUS).

Pelo acordo firmado com o Ministério da Saúde, a Novartis se compromete a distribuir o medicamento às secretarias estaduais de Saúde em todo o Brasil e estas, por sua vez, ficam responsáveis pelo abastecimento dos hospitais. Até então, a compra do Glivec, que atua no combate à Leucemia Mieloide Crônica (LCM), era feita diretamente pelas unidades hospitalares.

A compra em grande escala feita pelo governo brasileiro (previsão de 9,3 milhões de comprimidos em doze meses) possibilitou que a Novartis reduzisse o preço de cada comprimido de 100mg e 400mg para R$ 20,60 e R$ 82,40, respectivamente. Até então, os preços pagos pelos hospitais eram de R$ 42,50 (100mg) e R$ 170,00 (400mg) por cada comprimido.

O governo brasileiro celebra o acordo com a Novartis: “Ao negociarmos diretamente com o laboratório produtor, estamos comprando melhor, dispondo de mais recursos para ampliar o acesso e aprimorando a assistência aos pacientes que utilizam o Glivec, com o atendimento pela rede hospitalar oncológica garantido”, afirma Maria Inez Gadelha, que é coordenadora de Medicina de Média e Alta Complexidade do Ministério da Saúde.

Procurado pela reportagem da swissinfo.ch para fazer uma análise sobre a experiência da empresa com sua participação no SUS e com os estudos sobre o câncer de colo do útero desenvolvidos em parceria com o Inca, o presidente do Grupo Novartis no Brasil, Alexander Triebnigg, informou, por intermédio de sua assessoria de imprensa, que a empresa no momento prefere não fazer nenhum comentário sobre esses assuntos.

Banco de Tumores

Outra iniciativa que conta com participação suíça é o Banco Nacional de Tumores e DNA, que funciona sob a coordenação técnico-científica do Inca e conta com o apoio financeiro da Swiss Bridge Foundation e da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), órgão subordinado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil. O projeto tem o objetivo de organizar uma rede brasileira para a coleta de amostras de sangue de pacientes portadores dos tumores com maior incidência no país para posterior utilização em pesquisas que busquem decifrar o perfil genético desses tumores.

Por intermédio de sua assessoria, a direção do Inca falou sobre a importância do projeto: “As inúmeras coleções de tecidos arquivados em serviços de patologia são, à primeira vista, suficientes para fornecer material em vários níveis de demanda. Entretanto, esse material geralmente suporta um limitado número de ensaios experimentais. Além disso, o modo de preservação nem sempre é adequado para a tecnologia a ser utilizada e muitas amostras não são ligadas diretamente a dados clínicos ou de seguimento do paciente. Existe, portanto, a necessidade de implantação de bancos de amostras tumorais apropriados para o desenvolvimento de testes sensíveis de rastreamento”.

O Banco Nacional de Tumores também será importante, por exemplo, para a distinção entre formas de câncer com comportamento mais agressivo ou menos agressivo. Essa distinção se dará por meio do reconhecimento do perfil molecular do tecido afetado. Segundo o Inca, o grau de sucesso desse reconhecimento dependerá da análise de um grande número de amostras tumorais bem caracterizadas.

A direção do Inca afirma ainda que os bancos de tumores são importantes porque podem fornecer o material necessário para a validação de hipóteses: “Apesar da necessidade de pesquisa clínica posterior, os bancos de amostras compreendem um mecanismo formal e responsável para acesso e utilização de tecido tumoral. É importante lembrar que, no futuro, provavelmente haverá acesso limitado a amostras de vários tipos, considerando que a detecção precoce ou a adoção de terapias pré-operatórias poderão resultar na redução da disponibilidade e na qualidade de tecidos neoplásicos. É, portanto, necessário organizar bancos de tumores para pesquisa e para assegurar o uso apropriado e responsável desse material”.

Própolis

Um dos mais interessantes estudos sobre o combate ao câncer no Brasil vem sendo desenvolvido pelo professor Yong Kun Park na Universidade de Campinas (Unicamp).

Coreano naturalizado brasileiro, Park descobriu que a própolis - produto com propriedades antimicrobianas fabricado pelas abelhas para proteger suas colméias - contém elementos capazes de destruir alguns tipos de células cancerígenas.

Reconhecida internacionalmente, a pesquisa coordenada pelo professor Park prossegue paralelamente em laboratórios do Japão e dos EUA e já foi objeto de artigos ou citações em cerca de 30 publicações científicas internacionais.

End of insertion
Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?