Navigation

EUA elogiam esforço suíço no combate ao terrorismo

O ministro da Justiça, John Ashcroft, e ministra da Justiça, Ruth Metzler, quarta-feira, em Berna Keystone

O ministro americano da Justiça, John Ashcroft, elogiou em Berna o empenho da Suíça na luta contra o terrorismo. A prisão de José Padilha e a contribuição dos bancos suíços para conter o financiamento de operações terroristas foram apontados como atitudes exemplares.

Este conteúdo foi publicado em 13. junho 2002 - 16:29

Os comentários de Ashcroft foram feitos durante uma coletiva à imprensa, ao lado de sua colega suíça, Ruth Metzler. A visita do ministro americano se insere no contexto de um trabalho conjunto dos dois países para o combate ao terrorismo.

Um dos resultados práticos dessa cooperação foi a prisão, em 8 de maio passado, do suposto terrorista José Padilha, acusado de ter planejado um atentado com uma bomba radiotiva nos Estados Unidos. Padilha - que adotou o nome de Abdullah Al Muhajira ao converter-se ao Islã - é um ex-chefe de gangue de Chicago e foi preso por dois agentes do FBI durante sua viagem do Paquistão a Chicago, via Zurique.

Sem revelar detalhes sobre a colaboração suíça no caso, as autoridades americanas informaram que o acusado tinha em seu poder 10 mil dólares, supostamente doados na Suíça por membros da organização terrorista Al-Qaida. As autoridades suíças examinam agora outras passagens do acusado pelo país.

Bancos suíços na liderança

Na luta global contra o terrorismo mundial merece destaque, segundo Ashcroft, a atuação do sistema bancário suíço no desmantelamento das origens do financiamento.

O fato de que 30% do dinheiro bloqueado logo depois dos atentados de 11 de setembro ao World Trade Center foi congelado na Suíça comprova isso, aponta o ministro.

Internacionalmente reconhecido como efecientes, sempre pairava sobre os bancos suíços uma sombra de dúvida sobre a sua capacidade de controlar a lavagem de dinheiro e o financiamento de ações terroristas. Esse mito, segundo Ashcroft, foi agora "dissipado pela conduta construtiva do governo suíço e do sistema bancário suíço".

O ministro vai mais longe e diz que o mundo deve observar a forma como a Suíça opera para reforçar o cumprimento da lei, ao mesmo tempo em que protege os direitos individuais.

Força conjunta

Outro ponto de destaque na entrevista foi o projeto dois dos países para a criação de uma força conjunta para consolidar a colaboração anti-terrorista.

A idéia é permitir o intercâmbio de agentes e sua participação nos interrogatórios, tanto nos Estados Unidos, como na Suíça. Ashcroft afirmou que a ameaça de Al Qaïda subsiste e atinge o mundo de forma global, exigindo ações conjuntas e intercâmbio de informações.

swissinfo com agências

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?