Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Exército envia equipes de desminagem para o Líbano

Especialistas suíços já estuam no sul do Líbano.

(Exército Suíço)

O ministério suíço da Defesa está enviando 60 mil francos (US$ 48 mil) em equipamentos de desminagem para o sul do Líbano, atendendo um pedido urgente das Nações Unidas.

A ação ocorre enquanto diversas organizações de ajuda humanitária alertam para o perigo vivido por civis libaneses frente ao grande número de granadas e peças de artilharia não explodidas durante o conflito.

Markus Schefer, chefe da unidade de desminagem do exército suíço, revela à swissinfo que o primeiro carregamento de 1.300 cargas explosivas utilizadas para a remoção de bombas não deflagradas será enviado imediatamente à região.

"Munições não explodidas são um grande problema no sul do Líbano. Existe um grande problema humanitário para o retorno seguro dos refugiados às suas casas. Muitos deles entram nos seus lares e acabam tendo contato com esse tipo de material", declara Schefer.

As chamadas "cluster bombs" (bombas em cacho) espalham pequenos explosivos do tamanho de baterias em uma área extensa. Porém seu uso em áreas civis é condenado por leis internacional.

Alguns especialistas afirmam que 30% das "cluster bombs" lançadas pelo exército israelense não explodiram. A filial suíça da organização de ajuda humanitária Handicap International avalia esse número em 14%.

A gravidade do problema no sul do Líbano ainda não está esclarecida. A cada dia mais áreas repletas de bombas não explodidas são identificadas pelos grupos de remoção.

De acordo com o exército suíço, 12 pessoas morreram e 51 foram feridas devido à explosão das bombas em cacho desde o cessar-fogo em 14 de agosto.

Na quarta-feira (23 de agosto) três especialistas libaneses em desminagem foram mortos por bombas em cacho encontradas na cidade de Tebnin, distante apenas quinze quilômetros da fronteira israelense.

Remoção de minas

O material suíço de remoção de minas desenvolvido pelo fabricante Ruag, com sede em Berna, permite a remoção de minas e munição explodida sem contato físico. "O equipamento permitirá mais segurança aos especialistas de desminagem e acelerar o seu trabalho".

O exército suíço também está enviando pessoal treinado no uso do equipamento fabricado pela Ruag, também conhecido pela sigla SM-EOD. Ao mesmo tempo, o contrato de outro especialista do exército, que já atua há dois anos no Líbano no mapeamento de minas lançadas no conflito prévio, será prolongado.

"Essa é quase uma resposta emergencial. Existe a possibilidade de enviarmos ainda mais pessoal especializado e equipamento, depois de avaliarmos a situação na área. O trabalho de remoção das bombas não explodidas pode durar meses no Líbano, senão anos", adiciona Schefer.

Centro de Coordenação de Ações de Desminagem da ONU (Unmacc, na sigla em inglês) no sul do Líbano declarou na sexta-feira (25 de agosto) que o número de áreas de risco por bombas em cacho aumenta em 30% ao dia.

"Até agora já encontramos 288 sobras de bombas em cacho no sul do Líbano, porém nossas equipes descobrem novas áreas a cada dia. Esse é um enorme problema. Um grande número de residências está 'contaminada' e quanto maior o número de refugiados retornando, maior o risco de acidentes graves", declara o porta-voz Dalya Farran à swissinfo.

Em folhetos publicados há pouco tempo, a organização da ONU alerta pais para que façam atenção especial às munições não explodidas. Também o exército libanês espalhou 100 mil folhetos e pregou 10 mil pôsteres em diversos postos de controle. Rádios e televisões do país também contribuem com campanhas de alerta voltadas para a população

swissinfo, Adam Beaumont

Breves

O exército suíço despende cerca de 16 milhões de francos (US$ 13 milhões) por ano em trabalhos de desminagem realizados em várias partes do mundo.

Desde 1997, a unidade de desminagem conduziu ações na Albânia, Bósnia, Burundi, Eritréia, Sri Lanka, Sudão e Chad.

O exército também enviou equipamento especiais de remoção de bombas não explodidas ao Afeganistão, Azerbaijão, Iêmen, Chile, Croácia e Kosovo.

As Nações Unidas também utilizam um sistema de informação desenvolvido pelo Centro Internacional de Desminagem Humanitária em Genebra. Seu principal objetivo é coletar dados sobre munição não explodida no Líbano.

Aqui termina o infobox


Links

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

×