Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Fome e abundância lado a lado na Etiópia

Red, 8 anos, trabalha nos campos durante suas férias em troca de 80 centavos de dólar por dia. E durante as aulas? Ele prefere ficar calado.

(Philipp Hedemann)

Enquanto milhões de pessoas passam fome no Nordeste Africano, investidores estrangeiros colhem na mesma região toneladas de grãos destinados à Ásia ou aos países do Golfo.

A temperatura é de quase 40° C. Agachado, um garoto arranca a erva daninha que cresce no meio de um campo de cana-de-açúcar. Um indiano passa por ele, observando-o com o canto do olho.

Red tem 8 anos e ganha 80 centavos por dia trabalhando nesta plantação, no oeste da Etiópia. É mais barato do que os pesticidas. O fazendeiro indiano deverá ganhar milhões nos próximos três ano, exportando a colheita para longe da Etiópia.

Em um dos países mais pobres do mundo, o abarcamento das terras agrícolas está apenas começando, e no pior momento. A fome ataca mais uma vez a Etiópia. A seca devastadora que atingiu o Nordeste Africano nos últimos meses, ameaça mais de 10 milhões de pessoas.

"Aqui ainda é um deserto, mas logo vamos plantar novos campos de cana-de-açúcar e de dendê", diz Karmjeet Singh Sekhon, enquanto dirige sua pick-up.

A direita e à esquerda da pista, o mato já está pegando fogo. Aos 68 anos, o investidor indiano é um homem apressado. Sua grande fazenda no oeste da Etiópia ocupa uma área de 300.000 hectares, uma das maiores da região.

Corrida por biocombustíveis

Em 2008, após o aumento drástico dos preços dos alimentos e a fome gerada por ele, uma corrida sem precedentes foi lançada para se apropriar as terras agrícolas na África, América do Sul e Ásia.

Um relatório do Banco Mundial revela que 45 milhões de hectares de terras foram arrendados em 2009. Estima-se que até 2030, nos países em desenvolvimento, a cada ano seis milhões de hectares de terras agrícolas serão arrendados, dois terços na África subsaariana e na América do Sul.

Acres de terras usados para alimentar não só países como a Índia e os Estados do Golfo, mas também uma maneira para que estes países desempenhem papéis de liderança na corrida para produção de biocombustíveis. "A grilagem é um grande problema. O véu de sigilo que prevalece sobre este comércio deve ser levantado para que os pobres não paguem o preço alto, perdendo suas terras", adverte Ngozi Okonjo-Iweala, Diretora do Banco Mundial.

Há 26 anos atrás, a terrível fome que atingiu a Etiópia matou mais de um milhão de pessoas, apesar da ajuda internacional. Este cenário está se repetindo. Atualmente, a maioria dos alimentos é importada.

País pechinchado

Na Etiópia, cerca de 85% da população vive da agricultura. Mas a maioria dos magros campos são estéreis e arados com métodos arcaicos. A terra dá uma das menores produções no mundo. Com o aluguel das terras agrícolas para os investidores estrangeiros, o governo etíope espera lançar uma onda de modernização.

Todas as terras são propriedade do governo de Addis Abeba que espera nos próximos anos destinar três quartos à agricultura. Uma meta ambiciosa, pois até agora apenas 3,6 milhões de hectares, situados principalmente no oeste do país, foram cedidos aos investidores.

Mas as coisas podem mudar rapidamente com o baixo custo do aluguel, de apenas 6 dólares por hectare, por ano. A Etiópia tornou-se o país favorito para os investimentos em agronegócio. Para o desespero de agricultores locais como Ojwato.

O agricultor está diante de seu torrão de apenas um hectare. Leva apenas alguns minutos para atravessá-lo. Bem longe das horas de estrada necessárias a Karmjeet Singh Sekhon, a bordo de sua pick-up, para cruzar seu campo de cana-de-açúcar.

Sabendo que nos campos vizinhos as culturas são exportadas para o estrangeiro, enquanto o país morre de fome, o pequeno agricultor protesta: "os estrangeiros haviam prometido trazer em troca água, eletricidade e hospitais. Mas, no final das contas, apenas alguns de nós já trabalharam em seus campos, para ser mal pagos ainda por cima".

Suíça aumenta a sua ajuda

O governo decidiu conceder um crédito adicional de 4,5 milhões de francos para apoiar as populações do Nordeste Africano. Este montante será utilizado para ajudar os refugiados na Etiópia e no Quênia e para ajudar as populações mais vulneráveis na Somália.

Desde o início deste ano, a Suíça investiu cerca de 14 milhões de francos em projetos de ajuda à região. Muitos projetos foram apoiados através de uma rede de organizações associadas (ACNUR, CICV, PAM, ONGs suíças e internacionais).

Vários especialistas do Corpo Suíço de Ajuda Humanitária (CSA) estão engajados na região em missões nas áreas de construção, água ou segurança alimentar.

Fonte: DFAE

Aqui termina o infobox

Mobilização tardia

Em maio, a ONU advertia sobre a seca em todo o Nordeste Africano. Na Etiópia, o número de pessoas que necessitam de assistência humanitária aumentou de 2,8 milhões para 3,2 milhões de pessoas.

Em junho, a FAO advertia que a seca estava ameaçando mais de 8 milhões de pessoas em Djibuti, no Quênia, na Etiópia e na Somália. A região sofreu duas temporadas consecutivas de chuvas bem abaixo da média, arrasando a produção agrícola e pecuária. A ONG Médicos Sem Fronteiras chama a atenção para a situação dos campos de refugiados superlotados no leste do Quênia, que enfrentam um fluxo de somalis.

No final de junho, a mobilização internacional se acelera, quando a ONU chama a atenção para a pior seca dos últimos 60 anos em algumas partes do Nordeste Africano.

20 de julho, a ONU declara que a região sul de Bakool e o Lower Shabelle, no sul da Somália, foram assoladas pela fome. 350.000 pessoas são afetadas. Ao todo, a seca afeta 12 milhões de pessoas no Nordeste Africano.

Fonte: AFP

Aqui termina o infobox


Adaptação: Fernando Hirschy, swissinfo.ch/InfoSud

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.