Navigation

Fumo do vizinho também mata

Na Suíça, 7 milhões de habitantes, os estragos do fumo chegam a 6 bilhões de dólares Keystone

O fumo passivo é o tema principal do Dia Mundial sem Tabaco, comemorado em 31 de maio. Em sua campanha, a Organização Mundial de Saúde, OMS, alerta para os riscos relacionados ao tabagismo passivo que, por ex. na França, mata 10 por dia. A Suíça reativa também sua cruzada contra o fumo.

Este conteúdo foi publicado em 31. maio 2001 - 14:13

O cigarro dá câncer, provoca distúrbios cardiovasculares, pulmonares em fumantes e não fumantes. (Um exemplo: doenças provocadas pelo cigarro matariam 10 pessoas por hora no Brasil). Mas a constatação geral é de que os fumantes, na maioria, acham que podem escapar do perigo.

A OMS decidiu privilegiar sua cruzada contra o fumo, enfocando desta vez o tabagismo passivo. Estudos científicos avaliam que para uma criança de 2 anos que tem mãe fumante, as probabilidades de infecções respiratórias são 72% mais elevadas. Aumentam por ex., os riscos de otite e de asma.

A fumaça já ataca antes do nascimento. O embrião, atingido pelos efeitos do cigarro, cresce menos. Após o nascimento, o risco de morrer é pelo menos duplo. E viver em recinto fechado com fumaça de cigarro implica aumento de 25% no risco de morte por câncer pulmonar ou distúrbio cardiovascular.

Na Suíça, país de 7 milhões de habitantes, o fumo mata 8 mil pessoas por ano. A título de comparação, as drogas matam 200 e a aids/sida 50. Já os estragos causados chegam a 10 bilhões de francos, quase 6 bilhões de dólares.

No país, o governo consagra 5 milhões de francos por ano a campanhas de prevenção. E tem manifestado também preocupação com a fumaça dos outros.

Hoje, com base em decisão federal, um empregado pode exigir do patrão um saneamento do local de trabalho, o que implica criação de áreas limitadas para os fumantes. Estatísticas revelam que na Suíça, 75% da população é favorável a locais de trabalho sem fumo e que 60% das pessoas se sentem incomodadas com a fumaça nos restaurantes.

Por ocasião do Dia Mundial sem Fumo, vários eventos denunciam o tabagismo passivo. A Associação Suíça para a Prevenção do Tabagismo lançou este ano o eslogam: "A fumaça dos outros também mata".

O cerco aos fumantes se aperta, e aumenta o espaço para não fumantes. "Não queremos culpabilizar os fumantes, queremos apenas que fiquem informados", diz Verena El Fehi, membro da Associação contra o Tabagismo.

swissinfo com agências.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?