Restrições de viagem devido a coronavírus impedem contrabando

As restrições de viagem para impedir a propagação do coronavírus levaram a uma grande queda na atividade de contrabando transfronteiriço, bem como nas entradas e estadias ilegais na Suíça, de acordo com as autoridades alfandegárias.

Este conteúdo foi publicado em 22. maio 2020 - 11:38
Traficantes de pessoas, roubos de carros-fortes transfronteiriços e contrabandistas de remédios ilegais para a Suíça têm sido focos recentes das operações policiais Keystone / Martial Trezzini

A atividade de contrabando diminuiu 67% no início de 2020 em relação ao mesmo período do ano passado, anunciou a Administração Aduaneira Federal. Entre janeiro e abril deste ano, houve 94 casos de contrabando, contra 140 casos nos primeiros quatro meses de 2019.

A forte queda começou após o anúncio das restrições de viagem em março. Em abril, os guardas de fronteira, reforçados por militares, registraram dez casos suspeitos de contrabando. No mesmo mês do ano passado, foram 31 casos.

Os controles e restrições de entrada devido à pandemia do coronavírus também reduziram o número de entradas e permanências ilegais na Suíça. A alfândega registrou uma queda de quase 80% nos casos de entrada ilegal em abril. Houve 517 e 217 entradas ilegais registradas em março e abril, respectivamente. Em comparação, cerca de 1.116 casos foram registrados em abril do ano passado.

As permanências ilegais caíram cerca da metade. A autoridade aduaneira documentou 2.830 casos no início de 2020, contra 4.598 casos entre janeiro e abril de 2019. No mês passado, os guardas fronteiriços suíços entregaram às autoridades estrangeiras 63 pessoas que haviam entrado ilegalmente na Suíça, enquanto que em abril de 2019 foram 466 casos.

A Suíça faz fronteira com a Itália ao sul, França ao oeste, Alemanha ao norte, Liechtenstein e Áustria ao leste. A nação alpina faz parte do espaço Schengen.

Traficantes de pessoas, roubos de carros-fortes transfronteiriços e contrabandistas de remédios ilegais para a Suíça têm sido focos recentes das operações policiais.


Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo