Governo reforça medidas antiterrorismo

O governo suíço quer reforçar a lei antiterrorismo para prevenir que potenciais jihadistas deixem o país para se juntar a grupos terroristas no exterior. As medidas preveem que os suspeitos se apresentem regularmente à polícia ou tenham seus passaportes confiscados.

swissinfo.ch com agências
A segurança foi reforçada na Suíça após os ataques terroristas em Paris Keystone

De acordo com o governo, não existem atualmente leis em vigor para impedir a saída de um residente suíço que tenta integrar um grupo terrorista estrangeiro, como o grupo Estado Islâmico.

"Ela [a nova lei] vai obrigar essas pessoas a se apresentarem regularmente a uma delegacia", disse o comunicado do governo divulgado na quarta-feira (22). "Se esta medida não for suficiente para cumprir o objetivo, ou se não for possível, os documentos de identidade poderão ser apreendidos."

Segundo o governo, os países vizinhos da Suíça, como França, Itália e Alemanha, já implementaram tais medidas.

A proposta de mudança da lei antiterrorismo também visa permitir que a polícia federal suíça (Fedpol) rastreie os movimentos de supostos simpatizantes de terroristas sem o seu conhecimento. As autoridades seriam, assim, informadas de cada passo dos suspeitos dentro ou ao entrar no espaço Schengen. Somente aqueles que representam uma ameaça interna ou externa à segurança estarão sujeitos a este tipo de "vigilância discreta".


Você se sentiria em segurança em um Estado policial? Dê sua opinião nos comentários abaixo.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo