Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Jogador brasileiro reaparece mas não vai ao clube

Na temporada atual, Rafael já marcou 12 gols para o FC Zurich

(Keystone)

O desaparecimento relâmpago de um jogodor brasileiro do FC Zurique ainda não está esclarecido. Ele se apresentou à polícia de Zurique nesta segunda-feira.

Rafael de Araújo, 21 anos, treinou sábado, saiu com dois empresários brasileiros e não apareceu para a partida de domingo.

Parece que jogo está duro entre o atacante brasileiro Rafael de Araújo, de 21 anos, dois empresários brasileiros e o FC Zurique, clube da primeira divisão suíça (Super League).

Eles são protagonistas de uma história bizarra que começou no final de semana e que, por enquanto, só tem a versão oficial do clube.

Menos de um ano no FC Zurique

Rafael está no FC Zurique, atualmente em segundo lugar no campeonato, há menos de um ano e vinha sendo assediado por dois empresários brasileiros, cujos nomes o clube, questionado por swissinfo, não quiz revelar.

Sábado, Rafael treinara normalmente, na preparação para a partida de domingo, contra o FC St-Gallen, pelo campeonato suíço. Ao final do treino, o atacante teria saído com os dois empresários e não apareceu para o jogo de domingo.

Funcionários do clube estiveram no apartamento do jogador e não o encontraram. No mesmo dia (domingo), o FC Zurich comunicou o desaparecimento à polícia e registrou queixa por por seqüestro e chantagem.

Queixa na polícia

Nesta segunda-feira, o jogador reapareceu e apresentou-se à polícia de Zurique. Ele teria dito que não foi seqüestrado e estava bem, segundo o porta-voz da polícia, Marco Cortesi.

Até o início da tarde de segunda-feira (24), o jogador ainda não tinha se apresentado ao clube. O técnico do FC Zurique, Lucien Favre, declarou à televisão suíça que o jogador "não está agindo assim por livre e espontânea por vontade porque vinha sendo pressionado."

A versao do clube

Em comunicado oficial na tarde de segunda-feira, o FZ Zurique afirma que "as portas continuam abertas para o jogador, mas que o contato está difícil porque ele é mantido distante do clube pelos empresários e que, provavelmente, os pais do jogador também são influenciados por eles".

Como exemplo dessa dificuldade, o FC Zurich afirma que Clederson Cesar, outro brasileiro jogador do clube, "passou a noite tentanto convencer Rafael a voltar aos treinos nesta segunda-feira, sem sucesso."

Em carta endereçada à Associação Suíça de Futebol, o FZ Zurique afirma que a transferência de Rafael do FC Chiasso para Zurique "foi perfeitamente legal e que o jogador firmou contrato com o clube até 30 de junho de 2009"

O clube precisa que retirou a queixa da polícia por seqüestro mas mantém a queixa por chantagem contra os empresários e que "não tem qualquer razão de negociar com eles".

Rafael pode ficar

O principal interessado disse a swissinfo que, por enquanto, não pode falar muito mas que "há problemas com seu contrato que precisam ser resolvidos". Questionado por swissinfo, ele disse que "o ambiente é bom mas que se esse problema não for resolvido eu vou embora".

Para onde? "Tem clube interessado no Brasil mas também fora do Brasil", respondeu Rafael.

Empresários queriam comissão

Segundo a imprensa suíça, os empresários já haviam tentado chantagear o jogador durante a pausa de inverno observada no campeonato suíço. Nos contatos com o clube teriam declarado ser proprietários do jogador. Eles tentaram obter uma revisão do salário de Rafael e extorquir do clube uma soma em dinheiro pela transferência do atacante.

No Brasil, Rafael jogou no Vitória da Bahia e no Juventus de São Paulo. Antes de assinar com o FC Zurique, ele jogou um ano no Chiasso, clube suíço da segunda divisão. No atual campeonato, Rafael marcou 12 gols até agora pelo FC Zurich.

swissinfo, Claudinê Gonçalves

Breves

- Rafael de Araújo jogou no Vitória da Bahia, no Juventus de São Paulo e no Chiasso, segunda divisão suíça.

- Está há menos de um ano no FC Zurique, vice-líder atual do campeonato suíço da primeira divisão. O atacante marcou 12 gols na temporada, até agora. Ele tem contrato até 2009.

- Segundo o clube, ele vinha sendo pressionado por dois empresários brasileiros, que se dizem proprietários do jogador. Eles exigiam do clube aumento salarial para o jogador e comissões pela transferência.

- Rafael treinou sexta-feira e saiu com os dois empresários. Não apareceu para o jogo de domingo e o clube deu queixa na polícia por chantagem e seqüetro.

- Segunda-feira (24), Rafael apresentou-se espontaneamente na polícia mas, até o início da tarde, não havia comparecido ao clube.

Aqui termina o infobox


Links

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.