Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Julgamento de corrupção no futebol pode respingar na FIFA

Sede da FIFA em Zurique, central de comando do futebol mundial.

(Keystone)

Seis diretores do falido grupo suíço ISMM/ISL estão no banco dos réus em Zug, acusados de fraude, falência forjada, queima de patrimônio, danificação de credores e obtenção ilícita de documentos.

A FIFA acusou sua ex-parceira de marketing de ter desviado 60 milhões de dólares, que teriam sido pagos pela Rede Globo. A Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) também é envolvida no caso.

O tribunal de Zug encontra-se a 35 quilômetros da sede da Federação Internacional de Futebol Associação (FIFA), em Zurique. Mas, nas próximas semanas, as duas instituições estarão muito próximas uma da outra.

É que começou nesta terça-feira (11/03), em Zug, o julgamento de seis diretores da agência de marketing esportivo ISMM e de sua subsidiária ISL, que administrava a venda dos direitos de imagem das competições da FIFA, tinha parceria com o Flamengo no final da década de 90 e faliu em 2001.

As investigações contra a ISMM começaram em maio de 2001, após a FIFA apresentar uma queixa-crime contra sua ex-parceira, acusando-a de fraude, desvio de dinheiro e negócios ilícitos.

Desvio de dinheiro pago pela Globo?

Tratava-se supostamente do pagamento antecipado de 60 milhões de dólares feito pela TV Globo por direitos de transmissão da Copa de 2002, que a ISMM teria desviado para uma conta "secreta" em Liechtenstein, fora do controle da FIFA.

O processo acabou sendo ampliado e foi repassado à Promotoria Pública para encaminhamento à Justiça em março de 2005, apesar de a FIFA já ter retirado a queixa em 2004.

Na época, isso gerou especulações de que a FIFA pretendia evitar uma discussão pública sobre suas práticas duvidosas de concessão dos direitos de marketing e transmissão de suas competições pela televisão.

Desafio para a Justiça

O ponto alto das investigações então conduzidas pela Promotoria de Zurique ocorreu no dia 3 de novembro de 2005. Por ordem do juiz Thomas Hildbrand, funcionários da Justiça suíça vasculharam a sede da FIFA – principalmente o escritório do presidente Josef Blatter – para apurar denúncias de propinas supostamente pagas pela ISL a funcionários da entidade.

Por ironia do destino, Hildbrand e Blatter nasceram no mesmo povoado – Visp no cantão (estado) do Valais – e os túmulos das duas famílias são vizinhos no cemitério local. Para Blatter, a batida policial foi "como um raio que caiu do céu claro", como disse no documentário "A FIFA – Poder e manobras no futebol mundial", realizado pela TV alemã ARD.

O julgamento do caso representa um grande desafio para o tribunal de Zug, presidido por uma mulher, Carole Ziegler, de 40 anos. Na acusação de 228 páginas, com 80 pastas de documentos, os promotores pedem penas de reclusão entre 3 e 4,5 anos, enquanto todos os acusados juram ser inocentes.

A sentença no segundo maior processo penal econômico da história da Suíça, depois do julgamento do caso da Swissair, é prevista para meados do ano (a Swissair quebrou em 2 de outubro de 2001 e sua diretoria foi inocentada cinco anos depois pela Justiça).

Uma ampla rede de corrupção



Antes de falir em 2001, o grupo ISMM/ISL havia assegurado por 2,2 bilhões de francos os direitos de transmissão das Copas de 2002 no Japão e na Coréia do Sul e de 2006 na Alemanha fora da Europa (sem contar os EUA).

Depois da falência, esses direitos retornaram à FIFA, que também acabou empregando 35 ex-funcionários da ISL na sua própria empresa de marketing, fundada por ocasião da quebra do grupo ISMM/ISL.

Segundo a Procuradoria Pública suíça, há indícios de que por traz da concessão dos direitos de imagem das Copas de 2002 e 2006 havia uma ampla rede de corrupção, que teria favorecido, entre outros, dois representantes da FIFA no Paraguai e na Tanzânia.

Segundo a revista alemã Der Spiegel, os investigadores descobriram que, entre 1999 e 2001, a ISMM pagou 18,2 milhões de francos suíços em propinas a "pessoas direta ou indiretamente ligadas a contratos fechados pela empresa".

Deste total, 211.625 francos teriam sido pagos através de um banco em Liechtenstein a Nicolás Leoz, desde 1986 presidente da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol). A entidade sul-americana nega todas as acusações contra seu presidente. O presidente do então conselho de administração da ISMM, Jean-Marie Weber, teria sido o mentor da operação.

Trajetória duvidosa

„O reino das sombras do grupo ISMM/ISL tem uma longa história", como lembra o correspondente do jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung em Zurique. Ela foi fundada em 1982 pelo legendário dono da Adidas, Horst Dassler, que tinha entre seus "homens de confiança" Jean-Marie Weber (então diretor da filial da Adidas na Alsácia) e Sepp Blatter, na época secretário geral da FIFA, quando João Havelange era presidente.

Por esse motivo, alguns observadores questionam se o atual processo e as revelações sobre possíveis subornos, não poderão criar uma situação incômoda para Blatter, embora ele tenha apresentado a queixa-crime que desencadeou as investigações.

Weber dirigiu a holding Sporis, que nos anos 90 até planejou lançar ações na Bolsa de Valores, mas mais tarde se transformou no grupo ISMM/ISL e, segundo o jornal Sonntags-Zeitung de Zurique, "criou uma complicada rede de firmas de fachada".

Segundo o diário, ela teria criado várias fundações em Liechtenstein, com nomes como Nunca/Sunbow, Sicuretta e Taora, e mantido "caixas postais" nas Ilhas Virgens Britânicas e em Hong Kong para camuflar fluxos de dinheiro.

O grupo de marketing sediado em Zug quebrou em 2001, após um dispendioso contrato com a Associação de Tenistas Profissionais (ATP) em 1999 e depois do fracasso de seu engajamento no futebol brasileiro.

No atual julgamento, os diretores da ex-parceira da FIFA são acusados de decretar falência forjada com um prejuízo de 4 bilhões de francos, mas a atenção da mídia concentra-se no sistema de venda dos direitos da FIFA. A ISMM também trabalhou para a União Européia de Futebol e para a Federação Internacional de Atletismo.

swissinfo com agências

ISL/ISMM

A agência International Sports Media and Marketing/International Sports and Leisure (ISMM/ ISL) prestou serviços de marketing à Fifa durante quase 20 anos.

O grupo faliu em 2001 com dívidas de aproximadamente 300 milhões de dólares (306,2 milhões de francos suíços)

Em 2006, a FIFA conseguiu na Justiça impedir a venda na Suíça do livro Cartão Vermelho! O mundo secreto da FIFA, do jornalista britânico Andrew Jennings, com denúncias detalhadas de corrupção envolvendo a organização e o colapso da ISL/ISMM.

Segundo a FIFA, o livro contém informações falsas e difamatórias. Jennings garante que pode comprovar todas as suas denúncias.

Aqui termina o infobox

Documentário

Os autores do documentário A FIFA – poder e manobras no futebol mundial, Gerold Hofmann e Dominic Egizzi, da televisão alemã ARD, confrontaram Josef Blatter com várias das acusações levantadas no livro de Jennings.

Blatter rebateu todas as denúncias e negou qualquer envolvimento, mas admitiu que a busca feita em seu escritório pela Justiça suíça "doeu muito". Ele disse também estar convicto de que vencerá mais esta "batalha".

Uma crítica feita ao filme é que, de tanto mostrar o lado sombrio da FIFA, os autores esqueceram que a entidade também faz coisas boas, como fomentar o futebol em países em desenvolvimento.

Aqui termina o infobox

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.