Madrid pede ajuda legal à Suíça no caso do ex-rei fugitivo

Pichação do rei Juan Carlos na cidade de Valencia, Espanha. Keystone

A Espanha pediu assistência jurídica à Suíça em conexão com o escândalo do ex-rei Juan Carlos, que fugiu do país e encontra-se escondido em meio a alegações de corrupção.

Este conteúdo foi publicado em 06. agosto 2020 - 09:25
Keystone-SDA/Reuters/ts

O Ministério da Justiça recebeu um pedido de assistência jurídica em fevereiro, disse uma porta-voz do ministério à agência de notícias Keystone-SDA na quarta-feira. Ela disse que o pedido havia sido delegado ao Ministério Público de Genebra para execução.

A promotoria de Genebra não comentou o caso e a porta-voz do Ministério da Justiça não forneceu nenhum outro detalhe.

O Ministério das Relações Exteriores disse à Keystone-SDA que as autoridades suíças estavam cooperando com a Espanha no caso Juan Carlos. Disse que os bens do ex-rei não haviam sido congelados em conexão com o pedido de assistência jurídica, uma vez que as condições para isso não haviam sido cumpridas.

Imagem manchada

A família real espanhola anunciou inesperadamente na segunda-feira que Juan Carlos, de 82 anos de idade, havia deixado Madri e estava indo para o exílio. Seu paradeiro permanece um mistério. O Ministério das Relações Exteriores disse que não tinha informações se ele estava na Suíça.

A declaração palaciana citou a carta de Juan Carlos a seu filho, o rei Felipe, como dizendo que ele queria permitir que Felipe governasse sem problemas "em meio às repercussões públicas que certos eventos passados em minha vida privada estão gerando".

Em junho, a Suprema Corte espanhola abriu uma investigação sobre o envolvimento de Juan Carlos em um contrato de trem de alta velocidade na Arábia Saudita, depois que o jornal suíço La Tribune de Genève informou que ele havia recebido US$ 100 milhões (CHF 90 milhões) do falecido rei saudita.

Juan Carlos chegou ao trono em 1975 após a morte do General Francisco Franco e foi amplamente respeitado por seu papel de ajudar a guiar a Espanha da ditadura para a democracia. Mas os escândalos recentes mancharam sua imagem, levando-o a abdicar em 2014 e agora a deixar o país.

Partilhar este artigo