Navigation

Milhões do ex-ditador voltarão para a Nigéria

Dinheiro foi saqueado quando o general reinava na Nigéria. Keystone

A Suíça não vai interromper o processo de restituição à Nigéria dos 500 milhões de dólares desviados pelo general Sani Abacha.

Este conteúdo foi publicado em 08. fevereiro 2005 - 17:20

O Supremo Tribunal Suíço rejeitou o recurso dos parentes do ex-ditador alegando "interesse público importante" para resolver rapidamente esse caso.

A detenção na Alemanha de um dos filhos do ex-ditador da Nigéria não justifica a suspensão do processo de devolução da fortuna Abacha, congelada em bancos suíços. Para o Supremo Tribunal Federal suíço o processo de colaboração judiciária solicitado por Lagos é prioritário.

Os juízes do Supremo, com essa justificativa, negaram o recurso de Abba Abacha, preso na Alemanha, de um irmão e de empresas nigerianas. Abba Abacha foi preso na Alemanha em 9 de dezembro último, num hotel de Neuss, oeste da Alemanha, sob mandado da justiça de Genebra.

O juiz de instrução Daniel Dumartherey, encarregado do caso, suspeita o filho do ex-ditador de lavagem de dinheiro, participação em organização crimonosa, escroqueria e gestão desleal.

Questão de prioridade

Para o Supremo suíço, a prisão do filho do general Sani Abacha (ex-ditador já morto) não justifica a suspensão do processo de restituição do dinheiro ao Estado nigeriano. Ainda mais porque o processo penal aberto em Genebra "não terá uma conclusão breve".

Para o STS, existe um interesse público preponderante em resolver rapidamente essa questão. O recurso fora depositado depois que o Ministério da Justiça ordenou a devolução do dinheiro, em 18 de agosto passado.

Abba Abacha e seu irmão Mohamed teriam controlado grande parte do dinheiro desviado pelo pai enquanto esteve no poder, entre 1993 e 1998.

Boa parte dos 2,2 bilhões de dólares desviados do Banco Central pelo ex-ditador foi depositada na Suíça.

swissinfo e agências

Breves

- Entre 1993 e 1998, Sani Abacha teria desviado quase 3 bilhões de francos suíços dos cofres do Banco Central. Quase 879 milhões foram depositados na Suíça.

- em agosto de 2000, a Comissão Federal de Bancos controlou as contas de 19 bancos e constatou "sérias omissões" em três deles. As contas foram congeladas em 1999.

- Depois de já ter restituido 250 milhões de francos à Nigéria, a restituição foi interrompida por recursos na justiça.

- Terça-feira, 8 de fevereiro de 2005, o Supremo Tribunal rejeitou os recurso da família de Sani Abacha (morto em 1998) e o restante do dinheiro poderá ser restituido.

End of insertion

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?