Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

20.01.2017 08:15 Daniel Paschoud

Como muitos dos participantes do Fórum Econômico Mundial (WEF) aproveitavam da ocasião para praticar esportes de inverno, lojas esportivas como a de Daniel Paschoud tiravam um grande proveito. Porém hoje em dia os participantes do encontro não têm mais tempo para prazeres na neve. (Kristian Kapp, swissinfo.ch)

A loja "Bündasport" em Davos tem tradição. Daniel Paschoud é a segunda geração de proprietários desde que ela foi aberta há 61 anos. Ele nasceu em Davos e sabe que o WEF está intimamente ligado ao vilarejo. "O encontro tornou Davos conhecido no mundo inteiro. Hotéis e restaurantes daqui aproveitam bastante dele. E eu tenho interesse que Davos mantenha seus bons hotéis. Muitos deles não estariam aqui se não fosse o WEF", declara.

Porém existe o lado negativo do encontro. "Nessa semana muitas coisas estão bloqueadas por aqui. Dois dos cinco teleféricos estão fechados. Também as escolas de esqui não têm mais clientes", conta, lembrando que, devido às condições especiais, a movimentação na sua loja acaba afetada. Sua especialidade são roupas para praticar o esqui, seja o esqui alpino ou o de fundo. Mas também vende pranchas para snowboard. Um dos seus mais importantes negócios é o aluguel de esquis durante o inverno. Mas durante a semana do WEF praticamente não aparecem clientes. Paschoud fala em "novas dimensões".

Paschoud também já viveu boas experiências durante esses dias. Antes do encontro ter reduzido a sua duração a quatro dias, muitas personalidades encontravam tempo para esquiar em Davos. Eles vinham na loja de Paschoud para alugar material para praticar o esqui de fundo. "Um ministro chinês veio uma vez ou a rainha Rania, da Jordânia, os dois com um grande número de guarda-costas.

Hoje a situação mudou. "Os participantes do WEF não têm mais tempo, pois suas prioridades mudaram. "Aqui eles acabam tendo uma agenda carregada de encontros e muitos não trazem mais as suas famílias", avalia. Porém dentre os clientes fiéis, ele lembra um russo que todos os anos compra para a sua equipe roupas na loja. Porém trata-se de uma exceção. "As pistas de esqui ficam vazias durante esses dias, assim como os restaurantes e teleféricos", lamenta. Porém lembra que pode viver com a situação. "Depois que tudo passa, a situação melhora. Às vezes, até no primeiro dia." 

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Destaque