Navigation

Purevmaa, da Mongólia

Purevmaa não consegue mais imaginar sua vida fora da Suíça. 

Este conteúdo foi publicado em 22. fevereiro 2018 - 01:00

Desde 2005, ano de sua entrada na Suíça, Purevmaa oferece serviços domésticos para ganhar a vida.

"Muitos compatriotas encontraram um bom trabalho em Genebra. Eu decidi vir. Cheguei aos 24 anos, juntamente com outra garota da Mongólia. Seu irmão já estava aqui; ele nos hospedou e nos arranjou emprego ", conta ela.

"Como mulher", ela explica, "é fácil trabalhar em casas suíças e, felizmente, meus empregadores sempre me trataram muito bem", diz a jovem mãe.

"Eu conduzo uma vida correta, sem dívidas; e meu marido e eu podemos sustentar nossa família com o que ganhamos ", diz ela. Nessas circunstâncias, ele decidiu apresentar seu pedido para regularização no âmbito do projeto Papyrus. O sindicato interprofissional SIT a ajudou a preparar todos os documentos necessários.

"Reuni-los demorou três meses, mas a parte mais difícil foi aguardar seis meses para saber a decisão." "Eu estava muito angustiada", ela confessa. Seu pedido foi aceito. Uma recusa teria significado sua expulsão.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.