Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Nelfinavir: quebra de patente surpreende Roche

Brasil economizaria 35 milhões de dólares

(swissinfo.ch)

Estimando abusivo o preço de Nelfinavir, o Brasil decidiu quebrar a patente desse medicamento de combate à Aids. Na quinta-feira, 23/8, um dia depois da decisão brasileira, Roche manifesta surpresa e incompreensão. O laboratório diz não ter nem sequer conhecimento da ruptura das negociações com o Ministério brasileiro da Saúde.

Segundo o laboratório Roche sua primeira proposta foi de reduzir em 13% o preço do remédio. Com a recusa pelo Brasil - que exigia baixa de 50% - os dois lados negociavam uma solução. Já teriam sido feitas concessões de descontos próximas das percentagens solicitadas pelo Ministério da Saúde.

A surpresa de Roche vem também do fato de o licenciamento compulsório da patente do remédio, exigido pelo Brasil, não ter sido comunicado aos Estados Unidos, onde o Nelfinavir está registrado.

A lei brasileira sobre patentes garante licença obrigatória em caso de emergência nacional. E seu programa anti-Aids tem apoio das Nações Unidas.

25.000 pacientes usam o medicamento

A intenção brasileira seria de confiar a produção de genérico do medicamento ao laboratório Farmanguinhos da empresa Fiocruz, a partir do ano que vem. A data prevista de comercialização é fevereiro. Até dezembro o Brasil continuaria comprando o Nelfinavir, utilizado por aproximadamente 25 mil dos 100 mil que o programa do governo atende.

O Ministério brasileiro da Saúde gasta 88 milhões de dólares para comprar esse remédio, um dos 12 que entram na composição do coquetel anti-Aids, e um dos de maior custo.

Merck foi mais compreensivo

Em outra queda-de-braço, o Ministério conseguiu reduções substanciais para dois medicamentos do laboratório Merck: Indivanir (Crixivan) e Efavirenz (Stocrin), respectivamente de 64% e 59%.

Não se exclui que a decisão brasileira seja uma simples pressão para levar Roche a atender às suas exigências.

O Brasil despende 310 milhões de dólares em seu programa programa anti-Aids.

swissinfo com agências.


Links

×