Cientistas alertam para 'enorme' poluição de borracha na Suíça

Cerca de três quartos das partículas de borracha permanecem dentro de uma área de 5 metros de cada lado da estrada. © Keystone / Gaetan Bally

Na Suíça, há muito mais micro-borracha (partículas de borracha soltas pela abrasão dos pneus dos veículos nas ruas e estradas) jogada no meio-ambiente do que microplásticos, de acordo com um novo estudo. 

Este conteúdo foi publicado em 14. novembro 2019 - 12:19

Pesquisadores dos Laboratórios Federais para Pesquisa e Teste de Materiais (Empa) estimam que, entre 1988 e 2018, cerca de 200.000 toneladas de partículas de borracha foram liberadas nas estradas suíças, segundo comunicado anunciado na última quarta-feira.  

A grande maioria (97%) vem de pneus de carros e caminhões desgastados nas estradas, enquanto uma pequena quantidade pode ser atribuída à remoção de grama artificial. Cerca de três quartos das partículas de borracha permanecem dentro de uma área de 5 metros de cada lado da rua ou estrada. No entanto, 20% são quebrados em partículas menores e levado em córregos, rios e lagos, enquanto outros 5% infiltram-se no solo. Outro estudo mostrou que metade dos resíduos de polímeros encontrados no Lago de Genebra provém de micro-borracha.  

Qualquer pessoa que viva ou passe perto de estradas corre o risco de inalar partículas finas de borracha, mas a quantidade encontrada em poeira fina inalada em locais próximos ao tráfego é baixa, de acordo com Empa.  

Desde 2000, as autoridades suíças têm investido em estações de tratamento de águas residuais rodoviárias para tentar resolver o problema.  

Mas o maior problema é a grande quantidade de partículas de borracha produzidas. Das micropartículas à base de polímeros lançadas no ambiente, a micro-borracha representa 93% em comparação com apenas 7% dos microplásticos.  

"A quantidade de micro-borracha no ambiente é enorme e, portanto, altamente relevante", diz Bernd Nowack, da Empa. 

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo