O próximo líder da OMC: As perspectivas suíças sobre um desafio global

O atual diretor-geral da OMC, o brasileiro Roberto Azevêdo, está se retirando. Será que o próximo líder será capaz de tirar a organização da crise? Keystone / Salvatore Di Nolfi

Ao enfrentar sua maior crise de todos os tempos, a Organização Mundial do Comércio (OMC), sediada em Genebra, também está procurando um novo líder. A Suíça quer ver o papel preenchido por alguém que possa construir consenso e impulsionar reformas, diz o embaixador suíço na OMC Didier Chambovey. 

Este conteúdo foi publicado em 15. julho 2020 - 17:00
Adaptação: Fernando Hirschy, swissinfo.ch

A lista de candidatos para suceder o atual Diretor Geral da OMC, o brasileiro Roberto Azavêdo, que se retira no final de agosto, foi finalizada na semana passada.  

Das três mulheres e cinco homens em disputa (ver abaixo), a Suíça ainda não tem um favorito, de acordo com o embaixador Chambovey. Junto com os outros 164 países membros, ela avaliará os candidatos ao apresentar seus cargos e responder às perguntas desta semana. 

No entanto, Chambovey admite que "precisamos de uma personalidade com habilidades gerenciais que possa realizar a reforma da OMC, que é uma ordem alta, e que seja capaz de ouvir os Estados membros e construir um consenso".  

Ele disse para swissinfo.ch que o candidato ideal também deveria ter "influência política".

Quem vai liderar a OMC? 

Oito nomes surgiram para suceder a Roberto Azevêdo. Há três mulheres: a ex-ministra das finanças da Nigéria Ngozi Okonjo-Iweala, a ex-embaixadora queniana na OMC Amina Mohamed, e a atual ministra do comércio da Coreia do Sul Yoo Myung-hee. E cinco homens: o ex-diretor-geral adjunto da OMC Jesús Seade Kuri do México, o ex- negociador da OMC Abdel-Hamid Mamdouh do Egito, o ex-ministro das relações exteriores moldavo Tudor Ulianovschi, o ex-ministro da economia da Arábia Saudita Mohammad Maziad Al-Tuwaijri e o deputado britânico Liam Fox, que foi ministro do comércio sob o comando de Boris Johnson até 2019.

End of insertion

Restaurar a confiança 

Após a apresentação dos candidatos (15-17 de julho), haverá uma fase de campanha e consultas entre os Estados membros com o objetivo de formar um consenso em torno de um candidato. Uma liderança interina é possível e de fato parece provável, uma vez que o final da "fase de campanha" foi agora definido para 7 de setembro. 

Qual é a importância do processo de liderança? "Por um lado, o diretor-geral não tem tanto poder", diz o especialista em direito comercial internacional Joost Pauwelyn, do Instituto de Pós-Graduação em Estudos Internacionais e de Desenvolvimento de Genebra.  

"Ao mesmo tempo, todos estão ansiosos para descobrir se é possível chegar a um consenso sobre qualquer coisa hoje em dia", diz ele. "Isto pode ser algo novo, um primeiro passo para reconstruir a confiança". 

Disputas e reformas  

A OMC não enfrenta apenas críticas e apelos à reforma. Os EUA sob Donald Trump também paralisaram virtualmente seu principal órgão de solução de controvérsias ao bloquear as nomeações de novos juízes para o órgão de recursos. Os EUA estão descontentes com o "excesso" e o "descaso" do tribunal com as regras da OMC; também estão irritados com a forma como a OMC tem atado suas mãos ao lidar com a China. Atualmente, apenas um juiz permanece operacional no tribunal de apelo original de sete membros que decide sobre disputas comerciais. É necessário um mínimo de três para que ele funcione. 

Alguns membros da OMC, incluindo a União Europeia e a China, criaram um mecanismo interino de disputas comerciais. A Suíça também aderiu - mas, ao contrário de outros membros do grupo, praticamente não tem nenhum caso de disputa que precise ser resolvido. Pauwelyn vê isso como um sinal do compromisso da Suíça com o multilateralismo. 

"A Suíça tem muito a ganhar com uma OMC forte", diz. Ela também tem interesse em manter o órgão em Genebra. "Para a Suíça, isso é uma prioridade máxima. O Instituto de Pós-Graduação acaba de lançar a Plataforma Comercial de Genebra com dinheiro inicial do governo suíço. Uma razão é destacar a importância de Genebra para o comércio internacional". 

Essencial para a Suíça 

Chambovey diz que a atual posição dos EUA não é o único desafio para a OMC.  

As prioridades de reforma da Suíça incluem a atualização do manual de regras da OMC "para levar em conta as novas tecnologias, incluindo o comércio eletrônico", o combate aos subsídios que levam à pesca excessiva e ao esgotamento dos recursos globais e a busca de "uma maneira de restabelecer um órgão de disputa que funcione plenamente", diz Chambovey. Ele acrescenta que deve haver uma nova abordagem de tratamento especial para os países em desenvolvimento, "que não devem se beneficiar todos das mesmas flexibilidades e devem receber tratamento diferenciado de acordo com seu nível de desenvolvimento".  

Ele também enfatiza que o bom funcionamento da OMC é crucial para a Suíça, um pequeno país com uma economia globalizada, relativamente superdimensionada, que depende muito do comércio internacional.  

"É extremamente importante para nós que este órgão esteja funcionando bem e que possamos preservar um sistema comercial aberto", disse. "É importante para nossa economia". 

Partilhar este artigo