Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

O trem do futuro já existe

O projeto suíço Swissmetro ainda aguarda realização.

200 especialistas de vários países em trens de alta velocidade estiveram reunidos em Lausanne, oeste da Suíça. A primeira linha comercial maglev (trem a levitação magnética) será inaugurada dentro de alguns meses, em Xangai, na China.

No Brasil, há projetos na Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Os trens elétricos rápidos e confortáveis que circulam na Europa estão tecnológicamente ultrapassados. Ainda ficarão em serviço durante anos mas os especialistas já trabalham em novas tecnologias.

Xangai é pioneira

Os trens do futuro não vão rodar sobre os trilhos mas voar sobre eles. A idéia é fazer com que um campo magnéfico faça o trem levitar alguns milímetros acima da pista, evitando o atrito.

Essa tecnologia chamada maglev (trem a levitação magnética) tem várias perspectivas e os pesquisadores têm se encontrado em conferências internacionais para discutir os progressos conseguidos. O 17° Congresso maglev terminou quinta-feira, 05/9, na escola politécnica federal (EPFL) em Lausanne, oeste da Suíça. O anterior foi no Rio de Janeiro.

A primeira linha a ser explorada comercialmente com tecnologia de levitação magnética será inaugurada dentro de alguns meses, em Xangai, sul da China, ligando o aeroporto ao centro da cidade, um trajeto de 30 km.

Japão constrói

A tecnologia é alemã, e o princípio é a levitação por atração entre dois eletro-imãs. O engenheiro civil colombiano Oswaldo Rodriguez trabalhou quase dois no projeto e disse a swissinfo que o construção já está concluída.

A Alemanha e o Japão têm traçados experimentais e o Japão vai inaugurar a primeira linha comercial em 2005, durante a exposição universal de Aichi. Posteriormente está prevista a construção de um linha magnética entre Tóquio e Osaka.

Suíça e Brasil

A Alemanha, que detém as tecnologias mais avançadas em sistemas de levitação magnética, juntamente com o Japão, prevê investimentos de 2,3 bilhões de euros por ano para construir dois traçados maglev. O sistema foi imaginado pelo alemão Hermann Kemper. Estados Unidos e Holanda também investem.

A Suíça tem um projeto ainda mais avançado, o Swissmetro, em que o trem magnético circularia dentro de um túnel. O vácuo eliminaria inclusive o atrito do ar, possibilitando velocidades ainda maiores.

No Brasil, as pesquisas mais avançadas estão na Unversidade Federal do Rio de Janeiro, com um protótipo de laboratório testado desde o ano 2000 e outro que vai começar a ser testado no mês que vem, segundo o físico Roberto Nicolsky.

Os trens magnéticos deverão começar a substituir os convencionais dentro de 20 ou 30 anos, segundo especialistas, e serão concorrentes inclusive do avião em trajetos de até 800 km.

swissinfo/Claudinê Gonçalves

Fatos

1934: primeira patente de trem a levitação magnética, do alemão Hermann Kemper
1970: início dos testes maglev na Alemanha e Japão
1988: Transrapido atinge 412 km/h, na Alemanha
1999: Maglev atinge 552 km/h, no Japão.

Aqui termina o infobox

Breves

- Principais projetos maglev:
China: Xangai centro-aeroporto, 30 km, 8 minutos
Alemanha: Düsseldorf-Dortmund, 78 km, 34 minutos
Holanda: Amsterdã-Gröningen, 186 km, 58 minutos
EUA: Washington-Baltimore, 60 km, 20 minutos

Aqui termina o infobox


Links

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

×