Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Olhar histórico sobre a cidadania "A Suíça deveria ter maior confiança em sua capacidade de integração"

Se a Suíça tem uma das leis de naturalização mais restritas da Europa é também porque sempre viu o estrangeiro como mão-de-obra descartável para usar e abandonar, e não como um cidadão para integrar, afirma Brigitte Studer. "O direito de ser suíço" é o livro no qual a historiadora passa a limpo a evolução da relação com a cidadania, entre a integração e a exclusão.

Na década de 1960, o Departamento de Justiça e Polícia defendia a facilitação ao acesso à cidadania suíça para estrangeiros nascidos no país e bem integrados.

(Keystone)

swissinfo.ch: A Suíça tem uma das legislações mais restritas da Europa em matéria de naturalização. Mas nem sempre foi assim. O Estado moderno nasceu em 1848, durante uma política bem liberal. Qual era o papel de um cidadão naquela época?

Brigitte Studer: A Constituição federal de 1848 introduz um direito de cidadania, mas a Confederação dá carta branca aos cantões e municípios. Naquele período, a cidadania era percebida através de um ponto de vista liberal, como um instrumento para permitir a participação na vida política dos homens, como eleitores e votantes.

Os trâmites liberais de alguns cantões, entretanto, suscitam a ira dos países vizinhos. Mesmo não vivendo na Suíça, alguns estrangeiros conseguiam obter a nacionalidade e, dessa forma, escapar do serviço militar. Então, a Confederação, sob pressão, teve de coibir esta prática, mas interveio de maneira limitada. A medida apenas exigia que o candidato tivesse a residência no país por dois anos, pelo menos.

Brigitte Studer nasceu na Basileia em 1955. Ela se formou em história e literatura inglesa pelas Universidades de Friburgo, Lausanne e Paris. Brigitte Studer foi a primeira historiadora a ter acesso aos arquivos do Partido Comunista em Moscou. Em 1994 escreveu uma tese com o título "O Partido Comunista Suíço e a Internacional 1931-1943". Professora de história na Universidade de Berna, em 2013, ela publicou o livro "O direito de ser suíço", obra escrita com Gérald Arlettaz e Regula Argast.  

(SRF)

swissinfo.ch: A Primeira Guerra Mundial marca um ponto de ruptura. Quais foram as consequências?

B.S.: O final do século XIX assiste o surgimento dos movimentos nacionalistas e a questão da cidadania torna-se um tema de debate. No lugar da filosofia republicana, pela qual a integração dos estrangeiros é necessária para evitar uma sociedade com dois passos distintos, entra um discurso nacionalista. Nesse período nascem o termo "Überfremdung", que significa o medo do excesso de estrangeiros ou de sua influência no país. 

A guerra acentua ainda mais o nacionalismo e não apenas na Suíça. Em 1917, a Confederação cria a polícia dos estrangeiros e, em 1930, inscreve o princípio de defesa na "Lei federal relativa à moradia e domicílio dos estrangeiros".

swissinfo.ch: A Suíça tem medo de quê?

B.S.: No começo do século passado, o país temia, sobretudo, a Revolução Russa e o avanço do Comunismo. Mais tarde, eles seriam substituídos pela crise econômica e pela ameaça do estrangeiro que rouba o emprego.
Durante a Segunda Guerra Mundial, a Suíça limita ao máximo o acesso à cidadania e por decreto do Conselho Federal (governo), que dispensa o aval do Parlamento, introduz a possibilidade de revogação da nacionalidade. Um gesto muito forte.

swissinfo.ch: Quando se impôs na Suíça a retórica do "suíço legítimo" e do respeito aos valores helvéticos?

B.S.: É um processo longo e que tem origem no século 20. Os cantões foram os primeiros a introduzir avaliações de comportamento nos protocolos de pedidos de naturalização. O primeiro critério é o da independência financeira. Somente depois da Segunda Guerra Mundial – quando a Suíça, conscientemente, se torna democrática- é que as consequências civis e políticas começam a ser levadas em conta.

Em 1952, a nova Lei sobre a cidadania introduz, em modo explícito, a obrigação de submeter os candidatos a testes de conhecimento geral e, desta forma, releva um maior respeito aos valores helvéticos. A normativa aumenta para mais de doze anos a obrigatoriedade de residência na Suíça e permite, finalmente, à cidadã suíça casada com um cidadão estrangeiro de manter a nacionalidade helvética.

swissinfo.ch: Ao contrário de outros países, por que a Suíça encara a naturalização como o resultado de um processo de integração e não como um instrumento para facilitá-la?

B.S.: A Suíça nunca se definiu como um país de imigração. Normalmente, são os países de imigração, como Estados Unidos e Canadá, que optaram pelo "Jus soli" ou os países que tentaram incrementar os nascimentos, como a França.

Historicamente a Suíça nunca teve interesse em aumentar a população. Ao contrário, sempre teve receio de um aumento incontrolável. Ela se vê como um país fechado, com muitos estrangeiros que chegam, mas que depois de pouco tempo devem repartir. É uma escolha clara: a Suíça quer ter o controle sobre a imigração e poder despachar os estrangeiros quando a economia não necessitar mais deles.

swissinfo.ch: Seria necessário esperar pelos anos 1970 para ver a Suíça mostrar uma certa abertura…

B.S.: Sim, nos anos 1970, o ministério de Justiça e Polícia propõe, efetivamente, a simplificação dos procedimentos de naturalização, a "eliminação dos elementos arbitrários e a facilitação de acesso à cidadania helvética aos estrangeiros nascidos na Suíça e bem integrados. A naturalização facilitada é vista como um instrumento para lutar contra o excesso de estrangeiros no país. Não podemos esquecer que, entre 1965 e 1974, o povo foi convocado a votar em plebiscito cinco diferentes propostas xenófobas, das quais uma previa a limitação do número de naturalizações. Todas foram rejeitadas, mas algumas por uma pequena margem. 

swissinfo.ch: Mas o povo rejeitou quatro vezes a naturalização facilitada para os jovens estrangeiros de segunda ou terceira gerações. Por que?

B.S.: Em 1983, o governo federal e o Parlamento pediram para facilitar a naturalização dos estrangeiros nascidos na Suíça e também dos refugiados e dos apátridas. Foi este o aspecto que mais levantou as principais críticas. Em 1994, o projeto de revisão constitucional, menos ambicioso, recebe o apoio de todos os partidos políticos. O povo aprovou, mas ele acabou sendo rejeitado pela maioria dos cantões, em particular, os rurais.

Ao final, em 26 de setembro de 2004, o povo rejeitou o incentivo à naturalização dos jovens estrangeiros de segunda geração e a concessão, automática, da cidadania helvética àqueles de terceira geração. Neste caso, a proposta de "Jus soli" foi o fiel da balança para o "não".

swissinfo.ch: Esses jovens e crescidos na Suíça já podem pedir a cidadania helvética com um procedimento comum (n.r.: o "facilitado" é mais curto e menos custoso). Entretanto, muitos optam por não aproveitar essa possibilidade. Quais são as causas?

B.S.: Antes de mais nada, o jovem foge de toda e qualquer burocracia. E a prática comum é longa e cara. Muitas vezes, o candidato deve se submeter a entrevistas profundas que, segundo o município onde se faz o pedido, podem ser muito intrusivas e estes elementos tendem a desencorajá-lo.

Porém, é provável que os pedidos de naturalização aumentem nesse ano, pois a nova lei vai ter regras mais severas a partir de 2018.

swissinfo.ch: Em 12 de fevereiro de 2017 a Suíça votará novamente sobre a naturalização facilitada para os jovens de terceira geração. Quais seriam as consequências de um "não" nas urnas?

B.S.: Seria como um tapa nesses jovens, uma mensagem na qual está claro que a sociedade suíça tolera a presença deles, mas sem considerá-los como parte dela. Um "não" nas urnas significaria também que a Suíça não tem confiança em sua capacidade de integração. Porque se esses jovens, filhos de imigrantes de terceira geração, nascidos na Suíça e escolarizados na Suíça, não são integrados, então, sim, temos um país com um verdadeiro problema. A Suíça tem de ter maior confiança em sua capacidade integratória.


Adaptação: Guilherme Aquino

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.