Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Otimismo é moderado em relação ao Brasil

Por

O ministro Joseph Deiss convidou o presidente brasileiro Lula para uma visita oficial à Suíça.

(Keystone)

Após dois dias de reuniões em Brasília, participantes da missão econômica suíça têm diferentes análises do encontro entre os dois países.

O ministro da Economia Joseph Deiss e alguns empresários são mais otimistas. Outros dizem que os contatos foram interessantes, mas que as mudanças podem levar anos.

"O presidente Lula é um amigo da Suíça e já esteve duas vezes em nosso país, em Davos e em Lausanne durante o encontro do G-8. Eu o convidei para a Cúpula da Informação, em dezembro, em Genebra, e para uma visita oficial à Suíça, em 2005."

Em 2005, Deiss será o presidente da Suíça no sistema rotativo em que cada um dos sete ministros ocupam a presidência durante um ano.

A declaração foi feita pelo ministro Deiss, no final do encontro de uma hora com o presidente Lula, em Brasília, segunda-feira à tarde. A imprensa não teve acesso à audiência mas a swissinfo apurou que, no início, ambos estavam tensos mas que o ambiente tornou-se rapidamente mais descontraído.

Presente esportivo

Antes do final do encontro, Deiss presenteou Lula com uma camisa nº 10 da seleção suíça, com o nome do presidente nas costas. Ao entregar o presente o ministro suíço disse a Lula que "a Suíça é um país emergente no futebol".

Durante a reunião, os dois chefes de Estado falaram principalmente sobre a agricultura, um dos principais temas na reunião da OMC, em Cancún (de 10 a 14 próximos). Ao mesmo tempo, os dois debateram sobre o papel cada vez mais importante de liderança regional que o Brasil vem exercendo e de dois acordos pendentes negociados há anos entre os dois países sobre a dupla imposição de impostos e proteção de investimentos.

No encontro com Lula, Deiss estava acompanhado por quatro pessoas, dentre elas um representante do grupo de empresários que faziam parte da delegação suíça. Também estavam presentes o secretário-geral do Itamarati, Samuel Pinheiro Guimarães e os ministros da Economia, Antonio Palocci, e do Desenvolvimento, Comércio e Indústria, Luiz Fernando Furlan, convocados pelo presidente Lula.

A presença dos dois ministros foi interpretada pelos suíços como um "sinal positivo", pois a delegação já havia sido recebida pelos ministros Palocci e Furlan, separadamente.

Empresários suíços no Brasil

Alexandre Jetzer, representante dos empresários no encontro com Lula e membro do conselho de administração da Novartis, considera que o Brasil está buscando aliados para discutir assuntos multilaterais.

O presidente da Federação da Indústria Relojoeira Suíça, Jean-Daniel Pasche, acha que os encontros de Brasília foram úteis ,mas que "não será do dia para a noite que o governo modificará as tarifas aduaneiras, que estão tornando inviáveis as exportações para o Brasil".

O embaixador da Suíça no Brasil, Jürg Leutert, disse a swissinfo que "ficou surpreso com a cordialidade" das autoridades brasileiras frente a delegação suíça.

swissinfo, Claudinê Gonçalves, Brasília


Links

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

×