Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

"A população suíça foi induzida ao erro"

Muçulmanos na Suíça são considerados bem integrados.

(Keystone)

Uma clara maioria na Suíça não quer minaretes no país. Para Ismael Amid, ex-presidente da Associação de Organizações Islâmicas de Zurique, o resultado do plebiscito de domingo (29/11) foi uma grande surpresa.

Ele fala de uma campanha agressiva e que induziu os eleitores em erro.

swissinfo.ch: Os eleitores disseram claramente e de forma surpreendente "sim" a uma proibição de construir novos minaretes. O senhor esperava esse resultado e com essas dimensões?

Ismael Amin: De forma nenhuma. Eu nunca imaginei que essa iniciativa fosse aceita. O resultado foi uma surpresa total para mim. Eu esperava um "não", um "não" apertado. Foi um dia triste para mim.

swissinfo.ch: Como os muçulmanos na Suíça reagiram ao resultado do plebiscito?

I.A.: Sei pouco das reações. Ontem dei alguns telefonemas para amigos. Todos estão ultrajados e decepcionados com esse resultado.

swissinfo.ch: Quase 60% dos votos foram contrários à construção de novos minaretes. Como o senhor interpreta isso?

I.A.: É decepcionante que essa iniciativa tenha sido aprovada. A campanha foi conduzida de forma pontual e agressiva. Pouco se discutiu sobre o tema dos minaretes, mais sobre o Islã, mas com argumentos falsos.

Nesse sentido falou-se de casamentos forçados e a Xaria determina que casamentos forçados são proibidos. Falou-se de mutilações genitais e todos os jurisconsultos já se manifestaram contra a mutilação genital de mulheres. Falou-se do porte da burca. Nós nunca vimos uma burca na Suíça.

Falou-se também de temas que não tem nada a ver com os minaretes. Eles aproveitaram dos temores das pessoas e da falta de conhecimento da população para instrumentalizá-los. Assim chegou-se a esse resultado decepcionante.

Porém preciso defender a população suíça. Eles foram induzidos ao engano.

swissinfo.ch: Existe também a questão da integração da população muçulmana na Suíça?

I.A.: Eu não acredito que a população muçulmana esteja má integrada na sociedade. A maior parte dos muçulmanos está bem integrada e pratica sua religião sem problemas. Não posso falar em integração deficiente.

swissinfo.ch: É mais temor do que desconfiança?

I.A.: Depois da queda da União Soviética procurou-se um novo adversário e este foi encontrado no Islã. Desde então a imagem do Islã na imprensa não é positiva. Por isso foi possível manipular tão facilmente as pessoas e agir com o seu desconhecimento. Isso ocorreu sem problemas.

swissinfo.ch: O senhor fala de desconhecimento. Isso significa que os muçulmanos da Suíça devem se abrir mais à opinião pública, procurar mais proximidade dos suíços?

I.A.: Sim, seguramente. Nós deveríamos destacar mais a nossa presença na Suíça. Não é possível permanecer sempre nos fundos dos prédios como se não existíssemos na sociedade.

A sociedade muçulmana está em pior posição socialmente, isso está bem claro. Por isso ela não pode organizar uma campanha contrária como a que pode ser feita pela UDC (n.r.: União Democrática do Centro, partido da direita nacionalista que apoiou a iniciativa).

swissinfo.ch: Na Suíça vivem 400 mil pessoas originárias de países muçulmanos. Como fica a situação agora para essa comunidade?

I.A.: É difícil de prever. Mas eu posso imaginar que as pessoas estão desoladas, procurando caminhos, discutindo entre elas e analisando o que é possível fazer e como elas devem lidar com essa nova situação.

swissinfo.ch: E o que vai ocorrer agora?

I.A.: Como percebi na imprensa, é difícil colocar em prática essa iniciativa. Possível é o recurso à Corte Europeia de Direitos Humanos em Estrasburgo. Se isso vai acontecer ou não, não sei dizer.

Gaby Ochsenbein, swissinfo.ch
(Adaptação: Alexander Thoele)

Ismael Amin

Ismael Amin é originário do Egito e vive desde 1960 na Suíça.

O arabista e islamista é ex-presidente da Associação de Organizações Islâmicas de Zurique (VIOZ, na sigla em alemão).

Aqui termina o infobox

Muçulmanos na Suíça

Na Suíça vivem cerca de 400 mil muçulmanos.

Em 2000, a percentagem de muçulmanos entre a população suíça era de 4,26%. Isso corresponde ao terceiro maior grupo religioso do país, atrás apenas dos católicos e protestantes.

De 1990 a 2000, a população muçulmana originária dos países da ex-Iugoslávia na Suíça foi triplicada. Com uma percentagem de 56,4%, esses muçulmanos correspondem ao maior grupo islâmico na Suíça.

Em 2000, cerca de 20% dos muçulmanos na Suíça eram de origem turca, 11,7% eram suíços e 6% vinham da África, sobretudo dos países magrebinos.

Cerca de 8 a 14% dos muçulmanos na Suíça são praticantes.

Na Suíça existem quatro mesquitas com minaretes. Elas estão nas seguintes cidades: Zurique, Genebra, Winterthur e Wangen.

Aqui termina o infobox


Links

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

×