Navigation

Aplicativo vigia trabalho da polícia de Zurique

Um aplicativo de celular introduzido no início deste ano permitiu que a polícia da cidade de Zurique apresentasse pela primeira vez dados sobre o número de pessoas controladas, juntamente com as razões.

Este conteúdo foi publicado em 13. novembro 2018 - 17:00
A polícia de Zurique controlou uma média de 91 pessoas por dia entre fevereiro e julho de 2018 Keystone

Zurique é a primeira cidade na Suíça a apresentar o aplicativo, que foi desenvolvido em parte em resposta a algumas alegações de discriminação racial.

Todos os policiais da cidade estão equipados com o aplicativo desde fevereiro. Se eles verificarem uma pessoa, eles devem informar o motivo e declarar se a ação foi bem-sucedida ou não: ou seja, se suas suspeitas foram confirmadas.

Os números mostram que entre fevereiro e julho de 2018, um total de 16.554 pessoas foram verificadas, com uma taxa de sucesso de 31%, o que significa que as suspeitas dos policiais foram confirmadas em quase 5.100 casos.

"Criamos uma grande transparência com o aplicativo", disse Markus Hollenstein, da polícia de Zurique, ao jornal NZZ. "Isso estava faltando antes". Ele diz que já havia diretrizes, "mas não sabíamos quantas pessoas tínhamos verificado e não havia informações sobre os motivos".

Motivos

A razão mais citada para os controles policiais entre fevereiro e julho de 2018 foi comportamento e aparência anormais. As suspeitas dos policiais foram confirmadas em 22% desses casos. A segunda razão dada estava relacionada a um evento, por exemplo uma briga onde a polícia questionou os envolvidos. A taxa de sucesso aqui foi de 42%.

Em seguida, vieram os controles relacionados a uma situação ou ameaça policial, por exemplo, um desfile de rua, um jogo de futebol ou uma ameaça à bomba. A última razão dada foi relacionada a uma busca por pessoas procuradas. Este é o caso onde a polícia registrou a taxa de 60%.

Kai Reusser / swissinfo.ch

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.