Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Ricos errantes Por que os bilionários escolhem a Suíça?

Alta qualidade de vida e baixos impostos continuam a atrair as pessoas mais ricas do mundo para a Suíça. O país alpino tem o segundo maior número de bilionários estrangeiros no mundo.

Jorge Paulo Lemann, o bilionário brasileiro da Anheuser-Busch InBev, vive na Suíça com sua esposa.

(Keystone)

O grupo de mídia chinês Hurun Report acompanha de perto essas fortunas, e as rotas de migração das pessoas mais ricas do planeta. A “Hurun Global Rich List 2017” revela que, embora a Suíça tenha a sexta maior concentração de bilionários do mundo, apenas metade é composta de magnatas suíços. O resto é constituído por pessoas que chegam de outros países. Os Estados Unidos encabeçam a lista.

Alguns dos bilionários mais conhecidos da Suíça vêm de outros países, como o magnata da AB InBev, Jorge Paulo Lemann (Brasil), o industrial Viktor Vekselberg (Rússia) e o gigante de commodities Gennady Timchenko (Armênia). O fundador da Ikea, Ingvar Kamprad, foi o residente mais rico da Suíça por muito tempo antes de voltar para sua Suécia natal.

billionaires

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Reidentes bilionários

Incentivos fiscais

Um dos maiores incentivos é o tratamento tributário preferencial que muitos cantões concedem àqueles com pelo menos alguns milhões de dólares para se instalar no país. O sistema de tributação de montante fixo ignora renda e riqueza, cobrando uma taxa anual equivalente a sete vezes o valor do aluguel da propriedade do contribuinte.

Para isso há algumas condições: o contribuinte deve gerar todos os seus rendimentos no exterior e deve residir devidamente na Suíça. Os suíços acabaram recentemente com este arranjo em Zurique e alguns outros cantões, mas uma proposta nacional para acabar com a imposição de montante fixo acabou sendo rejeitada em um plebiscito de 2014, por isso ela ainda existe em alguns cantões.

É o caso de Genebra, listada pelo Hurun Report como a cidade com o terceiro maior número de imigrantes bilionários do mundo (12), atrás de Londres e Moscou. Zurique não aparece entre os dez primeiros.

Localização e idioma

Localização também é importante. Situada na Europa central, a Suíça é um dos melhores lugares para os ricos pegarem um jato privado para visitar propriedades ou empresas nos Estados Unidos, Oriente Médio e Ásia.

A Suíça também está bem ao lado do seu maior exportador de bilionários, a Alemanha. Doze bilionários atualmente residentes na Suíça só precisam dar um pulinho para passar a fronteira com a Alemanha, assim como outros cinco da Itália e da Grã-Bretanha e quatro da França. Para a maioria desses imigrantes ricos, o multilinguismo da Suíça os teria ajudado a se sentir mais em casa.

E tem ainda a qualidade de vida. Transportes públicos de qualidade, além de ruas limpas e uma taxa de criminalidade relativamente baixa ajudam a tornar o país atraente. A neutralidade política da Suíça é também um ímã para os bilionários que vêm de países menos estáveis.

A discrição natural dos suíços também é um fator que conta. Em suma, os bilionários estrangeiros podem desfrutar de mais privacidade na Suíça do que em seus países.

Não admira que as Nações Unidas tenham recentemente designado a Suíça como o quarto país mais feliz do mundo - e não apenas para os bilionários.




Adaptação: Fernando Hirschy, swissinfo.ch

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.