Navigation

A estátua do Mocmoc vai ficar onde está!

A equipe de designers que desenvolveu a estátua contava também com crianças. Benjamin von Wyl/swissinfo.ch

Desde sua inauguração, a estátua da criatura de fantasia amarelo-negra tem indignado muita gente na pequena cidade suíça de Romanshorn - mas as crianças a adoram.

Este conteúdo foi publicado em 26. agosto 2020 - 12:08
Benjamin von Wyl

Parece tão inocente - mas as reações são escandalizadas! Há 17 anos, a estátua de uma criatura chamada Mocmoc foi erigida frente à estação ferroviária de Romanshorn. O nome Mocmoc significa que ele não possui qualquer posição política e nenhuma visão de mundo particular. Se a criatura amarelo-preta representa algo diferente de si mesma e da raiva que ela causa, é o vislumbre de um olhar mágico e infantil do mundo.

Há muito tempo atrás - "quando os humanos ainda podiam falar com anões e duendes", como diz a lenda - Mocmoc arrancou seu chifre e o deu ao jovem Roman. Usando o chifre como buzina de alarme, Roman foi capaz de avisar a cidade, que a partir de então passou a se chamar Romanshorn, de um incêndio devastador.

Uma lenda fundadora, como acontece em muitas cidades. Mas a história de Mocmoc não vem de um passado distante, mas do século XXI. O fato de as autoridades de Romanshorn falsificarem a redescoberta de uma antiga lenda dividiu a cidade e desencadeou uma disputa local por estátuas.

Max Brunner diz que Mocmoc deveria ser uma figura de identificação. Brunner era então prefeito do município e estava no centro da controvérsia. Romanshorn, com seus 11.000 habitantes, situa-se numa bela parcela às margens do Lago Constança. "Os empregadores importantes aqui foram durante muito tempo o porto, os correios, a alfândega - e a ferrovia". Romanshorn era um vilarejo ferroviário".

De acordo com o professor aposentado Brunner, os trabalhadores ferroviários e dos correios muitas vezes mudam de emprego a cada poucos anos. Faltava algo que criasse identidade entre a população e com o mundo exterior. Enquanto outras cidades no Lago Constança são conhecidas por suas pitorescas cidades antigas, Romanshorn era conhecida principalmente por seu porto e estação ferroviária.

Após a virada do milênio, a praça da estação teve de ser redesenhada. Um por cento dos custos foram planejados para arte no edifício. A dupla de artistas da Suíça Oriental Com & Com ganhou o concurso de arte com o Mocmoc como um conceito geral: lenda implantada, aumento das expectativas, a estátua, etc.

"As reações eram esperadas, mas não que o Mocmoc dividisse a população".

Max Brunner. ex-prefeito da cidade

End of insertion

"Não tomamos uma decisão sem bem discuti-la antes", lembra Brunner, "esperávamos reações, mas não que Mocmoc dividisse a população". No Diário Oficial, o terreno foi preparado para a saga Mocmoc ao longo de meses. Pouco a pouco, mais detalhes sobre a suposta lenda pré-histórica se tornaram públicos. O Conselho Municipal avisou aqueles que teriam rapidamente descoberto a falsificação, como por exemplo o arquivista local.

A antecipação para a inauguração do Mocmoc foi grande. 600 alunos participaram de um concurso de desenho para o novo marco histórico. Na festa das crianças para a revelação do Mocmoc, a canção "Mocmoc, volte!" soou de muitas gargantas. Havia camisetas, bexigas de água e um doceconfeccionado para a ocasião, o "Schoggi-Mocmöcli". "Paris tem a Torre Eiffel, Nova York tem sua Estátua da Liberdade e nós temos nosso Mocmoc", disse o Prefeito Brunner na época, diante de 3000 pessoas.

Antes da inauguração, ninguém fez qualquer crítica. Mas apenas três dias após a grande celebração, apareceram as primeiras cartas negativas. Um residente local, por exemplo, escreveu que ela estava "irritada toda vez que olhava pela janela" e chamou Mocmoc de "zombaria para os contribuintes".

Logo o jornal St. Galler Tagblatt revelou que por trás do Mocmoc não existe uma lenda antiga, mas um conceito artístico geral. Se uma lenda foi inventada há 200 ou dois anos é irrelevante, reagiu a dupla de artistas Com & Com. Do ponto de vista deles, isto é provavelmente verdade: eles conseguiram implantar com sucesso uma saga em Romanshorn. Até hoje, a lenda do Mocmoc pode ser encontrada em um livro de leitura escolar. Recentemente, sua editora garantiu os direitos por mais 15 anos.

Mas para as autoridades o escândalo foi perfeito. Em uma entrevista coletiva, o conselho municipal de Romanshorn admitiu que a história era falsa. A enchente de acusações continuou: os custos eram muito altos e faltava uma licença de construção. Com a indignação, o interesse da mídia explodiu. Centenas de reportagens apareceram sobre a cidade do Lago Constança que estava brigando por causa de uma estátua de plástico.

A melhor RP

De certa forma, o Mocmoc cumpriu seu objetivo e chamou a atenção de Romanshorn. Mas os oponentes do Mocmoc sentiram que tinham se tornado motivo de riso. "A abordagem é ultrajante e Mocmoc é ridículo", disse um convidado a um painel de discussão em fevereiro de 2004 da televisão suíça. Outra: "Acho nojento, parece que é só para nos ridicularizar".

Cerca de 700 pessoas participaram da discussão no tradicional Hotel Bodan - como Mocmoc, localizado na praça em frente à estação da cidade. As acusações contra o conselho municipal foram pesadas: deslealdade, abuso de cargo e falsificação de documentos.

Max Brunner, o então presidente da comuna (prefeito). Benjamin von Wyl/swissinfo.ch


Outros visavam principalmente a estética da estátua. Mocmoc - que de fato tem como sua razão de origem o consumo de plástico - segue a "tradição do culto ao herói estalinista-leninista", disse um dos críticos. Entretanto, votações entre os cidadãos foram palco também de elogios ao efeito de marketing do Momoc.

Johannes M. Hedinger da Com & Com também chama o Mocmoc de "feio no sentido mais amplo" hoje em dia. "Foram discussões acaloradas", lembra Hedinger, que se sentou no pódio. Muitas vezes a equipe de artistas surpreendeu-se com "o que Mocmoc desencadeou e ainda desencadeia hoje". "Trata-se de questões democráticas fundamentais: Quem somos nós? Quem decide? O que é arte"?

Em seguida, Hedinger dispara com uma acusação que provavelmente atinge mais duramente os artistas do que as autoridades: a manipulação de crianças. "Com Mocmoc, não copiamos apenas um Pokémon, nós criamos seu exterior com crianças na equipe de design. Queríamos criar um monumento que funcionasse para as crianças. Isso poderia ser chamado de manipulação, mas significou também uma ação participativa cultural, e essa é uma das razões pelas quais o Mocmoc funcionou tão bem.

Mocmoc continua entre nós

Após um referendo no qual uma maioria votou a favor da permanência de Mocmoc na estação, o clima se acalmou a partir da primavera de 2004, quando um novo edifício foi construído no local do hotel onde ocorreu o grande debate. Pode-se ver hoje que há teias de aranha pendentes em sua traseira e a estátua de modo geral já parece desgastada, mas Mocmoc continua lá, firme e forte.

O coração no peito do Mocmoc ainda brilha de vermelho à noite. A estátua ainda não foi aceita por todos. "Hoje o Mocmoc é tolerado", diz Max Brunner. Alguns gostam da estátua. "Aqueles que na época eram contra, ainda o são.

Nos oito anos de Brunner como prefeito, o Mocmoc foi a maior controvérsia de sua gestão. Ele não concorreu nas eleições seguintes - três membros do conselho municipal não conseguiram ser re-eleitos. "Pedimos desculpas e nos comprometemos a nunca mais usar o Mocmoc oficialmente como um símbolo de comunidade", diz ele. Antes da indignação, o Mocmoc era impresso em placas de rua, por exemplo. Mas o Mocmoc já conseguiu espaço garantido no carnaval local, a Fasnacht.

"Queríamos criar um monumento que funcionasse especialmente para as crianças"

Johannes Hedinger, Com & Com

End of insertion

O democrata-cristão Brunner não quer menosprezar o impacto do Mocmoc: "O projeto custou 250.000 francos no total. Os especialistas em marketing dizem que por tanta publicidade gratuita como a que o Mocmoc trouxe, você normalmente teria de pagar dez vezes mais." Ele está convencido de que ninguém teria ficado chateado se Mocmoc tivesse sido apoiado por uma empresa privada.

"Quando se trata de espaço público, dinheiro público e funcionários eleitos, as pessoas têm uma postura diferente. Não teríamos recebido críticas por um poço de madeira com gerânios - mas também ninguém se interessaria por um poço assim".

A comissão de arte e o conselho municipal de Romanshorn escolheram deliberadamente o projeto de arte mais provocante? Brunner ri. "De jeito nenhum. As propostas dos outros artistas eram ainda mais loucas. Mocmoc parecia viável - e um trunfo". O ex-prefeito não tem certeza se o Mocmoc ficará para sempre na Bahnhofplatz.

Afinal de contas, a criatura fantasiosa é uma das poucas estátuas que sobreviveram a um recente referendo sobre sua remoção. Em relação ao debate atual sobre como lidar com estátuas de senhores coloniais, proprietários de escravos e racistas, Hedinger, membro da Com & Com, diz: "Mocmoc nunca oprimiu ou escravizou ninguém. Ele tornou os processos democráticos visíveis. É por isso que o Mocmoc ainda tem valor hoje".

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.