Navigation

Crocodilo sacrificado após morder cuidadora do zoo de Zurique

Apenas 250 indivíduos da espécie de crocodilos das Filipinas permanecem selvagens. Keystone / Federico Gambarini

O Zoológico de Zurique autorizou o disparo que matou um crocodilo depois dele haver mordido a mão de uma funcionária, sem chances de larga-la. A tratadora de animais teve de ser hospitalizada e submetida a cirurgia, mas está se recuperando bem.

Este conteúdo foi publicado em 27. dezembro 2019 - 11:50
Keystone-SDA/jdp

Na segunda-feira à noite, a tratadora tentou limpar o recinto do animal e separou o crocodilo filipino macho quando ele mordeu a mão dela e se agarrou por vários minutos. O diretor do zoológico Alex Rübel disse à agência de notícias Keystone que não está claro porque o crocodilo atacou.

Em seus 30 anos no zoológico, Rübel nunca teve que autorizar a matança de um animal por causa de agressão.

O crocodilo, que é relativamente pequeno com cerca de 1,5 metros de comprimento e pesa cerca de 15 quilos, pertencia a uma espécie rara de crocodilos filipinos das ilhas Mindanao, dos quais apenas 250 do seu tipo permanecem na natureza.

Uma fêmea da mesma espécie, que ainda vive no Zoológico de Zurique, não se dava bem com o macho, disse Rübel. O Zoo não indicou se vai procurar um novo macho.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.