Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Estudo revela números dramáticos do fumo passivo



Passivrauchen

Passivrauchen

Pessoas expostas ao fumo passivo provocam custos de mais de meio bilhão de dólares ao sistema de saúde da Suíça.

É o que revela um estudo publicado nesta quinta-feira pelo Instituto de Medicina Preventiva e Social da Universidade de Basileia.

Os pesquisadores calcularam a economia que o país poderia fazer na área de saúde, se introduzisse uma proibição geral do fumo em ambientes públicos e locais de trabalho.

Eles concluíram que o fumo passivo em restaurantes e no trabalho causa anualmente 70 mil dias adicionais de hospitalização e provoca a perda de 3 mil anos de vida.

Os custos decorrentes disso são de, no mínimo, 420 milhões de francos: 45% referentes a infartos cardíacos, 29% a casos de câncer do pulmão.

Além disso, os pesquisadores estimam que outros 10 mil dias de internação em hospitais e mil anos de vida perdidos resultam do fumo passivo em casa. Os custos para o sistema de saúde, nesse caso, são de 100 milhões de francos.

Os números baseiam-se na situação reinante em 2006, quando 84% da população suíça estavam pelo menos esporadicamente expostos ao fumo passivo na gastronomia.

Leis antifumo

Desde então, quase a metade dos 26 cantões (estados) aprovou proibições e regulamentações para bares e restaurantes (veja mapa na coluna à direita). Uma coalizão de mais de 40 entidades afirma que essas leis são pouco restritivas e reivindicam uma proibição nacional.

A economia possível na área da saúde depende do rigor das leis de proteção aos não fumantes, dizem os pesquisadores.

Uma medição mostrou que a poluição do ar em área reservadas a não fumantes continua duas vezes superior a de bares e restaurantes suíços que proibiram completamente o fumo.

Proibição do fumo reduz casos de infarto

Segundo um comunicado dos pesquisadores, a proibição do fumo em ambientes públicos introduzida em vários países nos últimos anos reduziu, em média, em 16% as hospitalizações por infarto cardíaco.

O estudo foi financiado com recursos federais do Fundo de Prevenção ao Tabaco. Além do Instituto de Medicina Preventiva, ligado ao Instituto Tropical Suíço, em Basileia, participaram a empresa de consultoria Ecoplan, de Berna, e a Liga do Pulmão.

swissinfo.ch com agências

(swissinfo.ch)


Links

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

×