Ministério da Saúde suíço diz que surtos da Covid-19 são inevitáveis

Kuster (centro) assumiu em abril como chefe da unidade de doenças transmissíveis do Ministério da Saúde suíço. Keystone/Ennio Leanza

A Suíça corre o risco de novos surtos de coronavírus semelhantes aos da vizinha Alemanha, advertiu um alto funcionário do Ministério da Saúde suíço.

Este conteúdo foi publicado em 24. junho 2020 - 12:06
swissinfo.ch/fh

Stefan Kuster, que chefia a unidade de doenças transmissíveis do Ministério da Saúde, disse que era ilusório acreditar que a Suíça "pode prevenir focos" da doença. Seus comentários foram publicados nos jornais do grupo editorial Tamedia na quarta-feira.

Kuster comparou a situação atual na Suíça com um fogo latente que desencadeia novos surtos que precisam ser apagados.

O especialista em saúde disse que a sólida situação econômica da Suíça foi provavelmente um fator que ajudou a prevenir o pior. Ele estava se referindo a um grande caso de contágio de Covid-19 em uma fábrica de carnes no norte da Alemanha, onde a higiene e as condições de vida de muitos funcionários eram críticas.

O chefe da unidade de doenças transmissíveis não descarta um novo pico de infecções por coronavírus nos próximos meses, observando que os cientistas ainda não sabem o suficiente sobre o vírus para combatê-lo com sucesso.

Ele também disse que máscaras de higiene obrigatórias nos transportes públicos eram "uma opção válida possível" se a população não estivesse disposta a respeitar as recomendações oficiais. Ele disse que cabe às autoridades cantonais agirem se necessário.

O governo suíço parou de obrigar o uso de máscaras de proteção, mas recomendou que as pessoas usem nos casos em que os passageiros não conseguem manter uma distância mínima um dos outros.

Atualmente há cerca de 200 pacientes da Covid-19 isolados na Suíça e mais de 600 em quarentena. A taxa diária de infecções caiu para cerca de dez a 35 casos nas últimas semanas, apesar de um fim escalonado das restrições à vida pública.

Uma nova pesquisa online constatou que quase 80% dos 10.519 entrevistados são a favor das máscaras nos transportes públicos.

A pesquisa foi publicada pelo grupo Tamedia na quarta-feira, mas os resultados não são representativos, de acordo com os jornais.

Pesquisas anteriores de outras organizações não encontraram uma maioria clara a favor de máscaras obrigatórias em trens e ônibus.

Partilhar este artigo