Navigation

Para onde emigram os suíços e suíças

Os Schönbächler emigraram para o Canadá. Na imagem, a familia suíça se exibe no documentário "Auf und davon", exibido na televisão suíça. SRF-SWI

Trinta mil suíços fazem as malas a cada ano e partem para outros países. Quais são seus destinos de preferência? Qual a idade média? As estatísticas revelam aspectos interessantes do fenômeno.

Este conteúdo foi publicado em 27. maio 2021 - 16:00

Vontade de conhecer outros horizontes, oportunidades de trabalho ou amor: suíços e suíças têm diferentes razões para emigrar. Os emigrantes helvéticos são encontrados nos quatro cantos do globo. Alguns destinos são mais populares do que outros, como mostram as últimas estatísticas, de 2019.

Muitos vão para os países vizinhos: França, Alemanha, Reino Unido e Itália são destinos populares da emigração helvética. Espanha e Portugal são os preferidos dos aposentados. Já países da Europa Oriental tendem a ser evitados.

Conteúdo externo

Em contraste, muitos suíços e suíças também se aventuram em terras mais distantes: EUA e Canadá. Na América do Sul, o Brasil é o destino mais popular do emigrante helvético. Pouco emigram para o continente africano. A Ásia mostra-se mais atraente para a maioria dos emigrantes, tendo Tailândia como um dos principais destinos.

Emigrar na terceira idade

Os dados revelam um pouco mais sobre o perfil dos emigrantes. Por exemplo, a idade: tipicamente os que abandonam a Suíça têm entre 20 e 34 anos de idade. Nessa fase da vida muitos já tiveram o primeiro filho, o que poderia explicar porque há tantas crianças entre os emigrantes. As famílias jovens são mais propensas a emigrar do que suas congêneres mais estabelecidas. Com adolescentes em casa - ou crianças em idade escolar - a aventura da emigração é mais complicada. Entretanto, a distribuição etária também mostra que é possível partir para um novo país mesmo em idades avançadas. Em 2019, até duas centenárias encontravam-se entre os emigrantes.

Conteúdo externo

Com a idade, há uma ligeira mudança no país de destino escolhido. Quanto mais velho, mais popular se tornar Espanha. Tailândia, Turquia e Sérvia. Uma justificativa é o clima mais ameno desses países do que o encontrado na Suíça.

Homens: Tailândia: Mulheres: Islândia

As estatísticas mostram que mais homens emigraram do que as mulheres. Entre 2011 e 2019, 52,5% dos emigrantes eram do sexo masculino. Normalmente, as mulheres emigradas escolhem países de destino similares aos homens. Entretanto, há algumas exceções.

Conteúdo externo

Todos os 165 emigrantes que mudaram sua residência para o Vaticano entre 2011 e 2019 eram homens. Porém a explicação é óbvia: mulheres não são aceitas até hoje na Guarda Suíça.

Saiba mais sobre a Guarda Suíça:

Homens também são mais propensos a emigrar para a Ásia do que as mulheres. Os países de preferência são Vietnã e Tailândia. Arábia Saudita também parece ser um destino mais atraente para os suíços do que as suíças. Por outro lado, alguns países atraem mais mulheres do que homens, mas as diferenças são menos óbvias. Em termos percentuais, as suíças emigradas escolhem a Islândia e até Chade.

Conteúdo externo

Emigração cai durante pandemia

Suíços e suíças também fazem o caminho contrário. Anualmente muitos abandonam seus países de residência e retornam à pátria. Em 2020, houve um equilíbrio entre os que partem e os que chegam: pouco menos de 26 mil suíços e suíças emigraram; ao mesmo tempo, um número semelhante de pessoas retornaram.

Adaptação: Alexander Thoele

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?