Navigation

Quase 9.000 "crianças escravas" reivindicam compensação

Cerca de 8.800 antigas crianças trabalhadoras forçadas pediram indenização por meio de um programa do governo, informou a agência de notícias suíça SDA-ATS.

Este conteúdo foi publicado em 16. abril 2018 - 08:30
As antigas 'crianças escravas' em uma manifestação pedindo reparação em 2014 Keystone

A Suíça concordou em pagar até 25.000 francos suíços em reparação àqueles que, quando crianças, foram vítimas de políticas de trabalho forçado ou colocados em instituições, sofrendo abuso ou negligência. A prática de “Verdingkinder”, como era chamada em alemão, continuou até 1981.

+ sobre o contexto histórico das “crianças escravas”

Há cerca de 12.000-15.000 vítimas que ainda estão vivas, estima o Ministério da Justiça suíço.

O governo anunciou o esquema de compensação de 300 milhões de francos suíços em setembro de 2016, que foi lançado em dezembro daquele ano. As autoridades haviam anteriormente apresentado desculpas oficiais aos sobreviventes deste período sombrio da história da Suíça,

O esquema de compensação veio depois do empresário suíço Guido Fluri ter lançado uma iniciativa em 2014 para estimular as reparações.

As vítimas tinham oficialmente até 31 de março de 2018 para apresentar seus pedidos de indenização. Pouco antes do prazo, foi relatado um aumento nos pedidos, após um início lento no número de reclamantes que se apresentaram.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.