O que aconteceu com os expatriados suíços?

Durante séculos, a Suíça foi verdadeiramente um país de emigração. Muitos suíços serviram como mercenários e muitos outros tiveram que emigrar para fugir da fome e da miséria que assolaram o país nos século XIX. “A partir de 1850 podemos falar de uma emigração em massa”, diz Pia Schubiger, curadora da exposição “Suíça em outros lugares”.

Este conteúdo foi publicado em 15. abril 2019 - 11:00
Christian Raaflaub (texto) e Thomas Kern (fotos), em Schwyz, swissinfo.ch

A ideia de cuidar dos emigrantes suíços em todo o mundo levou à criação da Organização dos Suíços do Estrangeiro (OSE) em 1916. Havia também a questão de como esses indivíduos representariam a Suíça no exterior. Desde 1966, o apoio à “quinta Suíça” - como é chamada a comunidade que vive no exterior, em referência às quatro regiões linguísticas do país - foi consagrado na constituição suíça.

Para a OSE, que também forneceu informações para a exposição, o evento "é um reconhecimento importante e um forte símbolo de que um dos museus nacionais decidiu abordar esse assunto", disse a diretora da organização, Ariane Rustichelli.

A exposição também tenta recolher novas histórias de migração. Os organizadores e a associação Musée imaginaire des migrations convidam os visitantes a contar suas próprias histórias.

Para a curadora Pia Schubiger, este é um verdadeiro baú que vai além da exposição. “Eu acho que há muitas outras histórias que poderiam ser escritas, tão excitantes quanto as que contamos aqui.”

A exposição Switzerland elsewhere acontece entre os dias 13 de abril e 29 de setembro e no Museu Nacional Suíço de Schwyz.


Entradas grátis!
Como parceiro de mídia desta exposição, a SWI swissinfo.ch está distribuindo ingressos por ordem de chegada. Quer ir? Envie uma mensagem para Thomas.Waldmeier@swissinfo.ch, esposição “Switzerland Elsewhere”.

End of insertion

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo