Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Suíça perde o jogo e seu capitão na abertura da Euro

Duelo de gigantes: o atacante tcheco Koller (9) contra o zagueiro suíço Senderos.

(Reuters)

A equipe co-anfitriã dominou o jogo de abertura da Eurocopa 2008 no estádio da Basiléia, mas perdeu de 1 a 0 para a República Tcheca

A Suíça continua sem vitória num campeonato europeu. O capitão da equipe, Alexander Frei, se contundiu no final do primeiro tempo e dificilmente voltará a jogar no torneio.

Empurrados pela torcida, os suíços iniciaram o jogo com bastante dinâmica, pressionando o adversário. Frei teve a primeira chance da equipe da casa aos três minutos, mas chutou fraco para a linha de fundo.

Relativamente fraco foi também o desempenho de seu companheiro de ataque, Streller, que o técnico Köbi Kuhn escalou em vez de Yakin, artilheiro do último campeonato suíço (24 gols).

Além disso, o lateral-esquerdo Ludwig Magnin teve problemas para conter os avanços do ponteiro direito Sionko, o tcheco que levou mais perigo à defesa suíça no primeiro tempo.

No meio-campo, Jarolim correu muito, mas não conseguiu substituir à altura o grande ausente da República Tcheca, o "maestro" Thomas Rosicky, que não foi convocado por estar contundido.

Cech em grande forma



Os suíços tiveram mais domínio de campo e mais chances de gol, mas esbarraram na muralha tcheca e no goleiro Cech, que mostrou muita segurança no seu jogo de número 60 pela seleção.

Aos 20 min, ele fez uma defesa espetacular com os pés, impedindo o primeiro gol suíço. Aos 35 min, ele rebateu uma bomba disparada por Frei de fora da área, mas Streller estava impedido ao pegar o rebote.

A três minutos do final do primeiro tempo, Frei chocou-se com o lateral-direito Grygera, se contundiu no joelho esquerdo e teve de ser substituído – uma enorme perda para a equipe de Kuhn.

Segundo tempo

Apesar desse choque, a Suíça voltou com muita moral para o segundo tempo, com Yakin no lugar de Frei, e deu continuidade à pressão. Hipermotivado, Magnin entrou tão duro em Sionko que levou o primeiro cartão amarelo do torneio.

Aos 20 min, Yakin teve a quinta chance para abrir o marcador para a Suíça. Nesse momento, Frei voltou ao estádio, usando muletas.

Justamente no momento em que a Suíça estava bem próxima de marcar o primeiro gol, a equipe co-anfitriã sofreu seu segundo choque.

Após uma cobrança de escanteio mal afastada pela zaga suíça, Sverkos, que havia entrado no lugar do gigante centroavante Koller, marcou o 1 a 0 para os tchecos, aos 25 min do segundo tempo.

Nove minutos depois, a Suíça teve a chance de empatar. Barnetta dispurou do centro da área, Cech rebateu e Vonlanthen mandou a bola no travessão.

A sete minutos do final, Köbi Kuhn ainda trouxe Derdiyok, para o lugar do meia Behrami, mas o jogador mais jovem do torneio não conseguiu mais igualar o marcador.

O resultado deixou a decepção estampada no rosto da equipe e da torcida. A Suíça não mereceu a derrota. O próximo jogo da equipe é na próxima quarta-feira contra a Turquia, também na Basiléia.

Cerimônia de abertura

Antes do apito inicial, houve uma curta cerimônia oficial de abertura da Euro, sem discursos políticos, mas com danças e coreografias representando símbolos dos dois países anfitriões, como os Alpes, a valsa austríaca ou a indústria relojoeira suíça.

Ao meio-dia deste sábado, antes a abertura do torneio, o governo suíço recebeu os integrantes do governo austríaco e outras 150 personalidades da política e do esporte.

swissinfo, Geraldo Hoffmann

Análise de Barberis

Na opinião de Umberto Barberis, ex-jogador da seleção suíça e comentarista da Euro para a swissinfo, "os suíços jogaram muito bem, levando-se em conta as cinco chances claras de gol que tiveram. O que fez a diferença foi a eficácia dos tchecos, que aproveitaram sua única chance no jogo. Numa Eurocopa é preciso ser mais eficiente nas conclusões".

Segundo ele, no primeiro tempo, com dois atacantes, a Suíça dominou o meio-de-campo. "A contusão de Alexander Frei e sua substituição por Hakan Yakin mudou um pouco a situação."

As substituições foram decisivas na partida, acrescentou. "O técnico tcheco teve a coragem der trocar o atacante Koller por Zverkos, que marcou o gol da vitória. Köbi Kuhn depositou sua confiança em Yakin e Vonlanthen, que também tiveram chances de mar."

Aqui termina o infobox

Köbi Kuhn

"A probabilidade de permanecer no torneio logicamente não aumentou com essa derrota. Mas gostaria de lembrá-los de que Portugal, há quatro anos, também perdeu sua partida de estréia contra a Grécia, mas mesmo assim chegou à final. Também para nós tudo ainda é possível, com certeza não vamos nos entregar. Ainda não caiu nenhuma decisão."

Aqui termina o infobox

Suíça 0 x 1 Rep. Tcheca

Suíça: Benaglio - Lichtsteiner (Vonlanthen), Senderos, Müller, Magnin - Behrami (Derdiyok), Inler, Fernandes, Barnetta - Frei (Yakin), Streller
Técnico: Köbi Kuhn

República Tcheca: Cech - Grygera, Ujfalusi, Rozehnal, Jankulovski - Jarolim (Kovac), Galasek, Plasil - Sionko (Vlcek), Baros - Koller (Sverkos)
Técnico: Karel Brückner

Data: 07/06/2006
Local: Estádio St-Jakob, Basiléia (Suíça)
Público: 42.500 (lotado)
Árbitro: Roberto Rosetti
Assistentes: Alessandro Griselli (Itália), Paolo Calcagno (Itália), Stéphane Lannoy (França)
Gols: Sverkos (RT), aos 25 min do 2T
Cartões amarelos: Magnin (S), Vontanthen (S) e Barnetta (S)

Aqui termina o infobox
(swissinfo.ch)

×