Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Suíça também vai aplicar sanções contra a Coréia do Norte

O teste nuclar norte-coreano provocou protestos, sobretudo na Coréia do Sul.

(Keystone)

A Suíça aplicará as sanções decidas sábado pelo Conselho de Segurança da ONU, depois do teste nuclear feito pela Coréia do Norte, segunda-feira passada.

Por outro lado, a Suíça vai ainda avaliar como prosseguir o diálogo político regular iniciado em 2003 entre os dois países.

O Ministério das Relações Exteriores (DFAE) reitera sua posição anunciada segunda-feira passada, depois do teste nuclear norte-coreano que provocou protestos em vários países.

Domingo (15) o porta-voz Lars Knuchel lembrou que o Ministério dirigido por Micheline Calmy-Rey indicara que a Suíça apoiaria eventuais sanções do Conselho de Segurança da ONU contra o governo de Pyongyang.

Através de um comunicado, Berna condenara o teste nuclear da Coréia do Norte. A Suíça havia solicitado várias vezes que o regime comunista reintegrasse o Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP), do qual Pyongyang se retirara em 2003.

Analisar a situação

O Ministério ainda não decidiu se o diálogo político com a Coréia do Norte vai continuar. "Analisamos constantemente a situação para decidir se é ou não oportuno o prosseguimento de nossos projetos no estrangeiro", afirma M. Knuchel, sem precisar quanto tempo vai levar essa avaliação. Essa regra geral aplica-se também à Coréia do Norte.

Depois da visita da ministra Micheline Calmy-Rey à Coréia do Norte, em 2003, a Suíça passou a manter encontros regulares com as autoridades de Pyongyang. As discussões ocorrem alternativamente nas duas capitais. A última vez foi em Berna, em avril passado.

Nessa ocasião, responsáveis norte-coreanos solicitaram que Berna investigasse as alegações dos Estados Unidos de que grandes somas em dinheiro foram depositadas em um banco suíço pelo presidente Kim Jong-il. Eles queriam provasa de essas acusações eram falsas. Pyongyang finalmente renunciou a essas reivindicações, informou o porta-voz do DFAE.

Bloqueio dos haveres

A resolução da ONU estipula que "todos os Estados membros devem (...) congelar imediatamente os fundos, haveres financeiros e outros recursos econômicos (...) pertencentes a pessoas ou entidades (...) com laços ou tendo ajudado, inclusive por meios ileais, o programa nuclear e outros programas de armas de destruição maciça da Coréia do Norte".

Na Suíça, a Secretaria Federal de Economia (SECO) e a Comissão Federal de Bancos (CFB) são as instâncias de aplicação dessa parte da resolução da ONU.

No entato, elas supõem que não haverá conseqüências enormes para a Suíça porque as relações econômicas com o regime comunista de Pyongyang são rudimentares.

O mesmo ocorreria nas relações dos bancos com a Coréia do Norte.

Unanimidade

O Conselho de Segurança da ONU votou à unanimidade a resolução imponto sanções financeiras e restrições em matéria de armamento à Coréia do Norte, que rejeitou imediatamente a decisão, aprovada pela comunidade internacional.

A resolução de inspiração estadunidense, considera o teste nuclear norte-coreano uma "ameaça para a paz e segurança internacionais" e autoriza a inspeção de cargaas provenientes ou com destino à Coréia do Norte, com o intuito de interceptar eventuais armas de destruição maciça.

Visa-se o regime

As sanções financeiras visam o financiamento utilizado pelo dirigente norte-coreano Kim Jong-Il para os programas de armas de destruição maciça. A resolução, que diz pretender poupar a população, visa uma pequena elite norte-coreana ao proibir a venda de produtos de luxo no país.

A decisão da ONU intervém enquanto a autenticidade do teste nuclear norte-coreano começa a ser estabelecida, através de partículas radioativas recolhidas na atmosfera perto do lugar onde foi realizado teste, dia 9 de outubro.

swissinfo com agências

Fatos

Em 2005, a Suíça exportou mercadorias para a Coréia do Norte no valor de 4,5 milhões de francos suíços e importou no valor de 1,7 milhão.
Nos primeiros oito meses deste ano, as exportações suíças aumentaram para 7,8 milhões.
No início de 2006, o UBS e o Crédito Suíço declararam que tinham qualquer negócio com a Coréia do Norte.

Aqui termina o infobox

Breves

- O Tratado de Não-Proliferação de armas nucleares (TNP) foi assinado em 1968 e entrou em vigor em 1970.

- Na Suíça, ele entrou em vigor em 1977.

- O TNP foi ratificado por 189 Estados, menos Índia, Paquistão e Israel. A Coréia do Norte retirou-se em 2003.

Aqui termina o infobox

A cooperação suíça

- A Direção do Desenvolvimento e Cooperação (DDC) tem um escritório em
Pyongyang desde 1997.

- Ela trabalha na ajuda de urgência e apóia o processo de reformas na Coréia do Norte.

- Em 2006, o orçamento da cooperação com a Coréia do Norte é de 5,3 milhões de francos suíços.

Aqui termina o infobox


Links

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

×