Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

#WeAreSwissAbroad Selina Thomas: se deixou influenciar pelo ambiente positivo das Filipinas

Excelente clima e pessoas agradáveis: a suíça Selina Thomas, 33 anos, aproveita da sua vida nas Filipinas, mesmo se ela agora está à procura de trabalho. Porém os nativos também têm uma boa formação e são uma forte concorrência. Seu cotidiano não é influenciado pela severa política de combate às drogas do presidente Rodrigo Dutertes.

swissinfo.ch: Por que você decidiu emigrar da Suíça?

Selina Thomas: Meu marido foi transferido pelo empregado para as Filipinas e nós decidimos juntos então dar esse passo na vida. Antes já vivemos dois anos em Dubai e, portanto, não seria a primeira estadia no exterior. Nós chegamos em Manila no início de agosto de 2016.

swissinfo.ch: Como foram os primeiros meses?

S.T.: Os primeiros meses foram bastante emocionantes. Conhecer um novo país e uma nova cultura é como estar de férias. Aqui temos uma piscina e o clima é quase sempre muito bom. Obviamente vivemos também um choque cultural. Fazer compras não é para quem tem nervos fracos. O setor de carnes, por exemplo, tem um cheiro muito forte. A gente não encontra peito de frango, mas sim pé de frango. Não há filés de peixe, mas só peixes inteiros. Se você encontra tomates, eles são verdes. E os brócolis custam uma fortuna. É difícil encontrar comida fresca e saudável. Também tivemos de nos acostumar com o calor. Aqui é quente e húmido!  

Dê visibilidade à Suíça no estrangeiro: marque suas fotos no Instagram com o hashtag  #WeAreSwissAbroad

A swissinfo.ch selecionará e republicará as imagens e os vídeos na nossa própria página no Instagram. Assim esperamos descobrir as histórias interessantes dos suíços do estrangeiro. Dentre elas, muitas experiências interessantes, anedotas e outras impressões.

(swissinfo.ch)

swissinfo.ch: Foi uma viagem sem retorno ou você pretende, um dia, retornar à Suíça?

S.T.: Isso está aberto para mim. Seguramente não iremos ficar aqui para sempre. Como meu marido é australiano, pode ser que a gente vá viver um dia na Austrália ou, quem sabe, iremos voltar à Suíça ou ir a outro país.

swissinfo.ch: Você trabalha e, caso positivo, como é?

S.T.: Na Suíça trabalhava no setor de recursos humanos. Eu tinha um emprego em um banco estrangeiro. Atualmente procuro um trabalho, mas não é muito fácil. Uma razão é que eu só tenho um visto de residência e não de trabalho. Além disso, as pessoas aqui também têm uma boa formação. A concorrência é dura.

Para me ocupar estou escrevendo um livro sobre o período que passamos em Dubai. Além disso, também tenho alguns trabalhos como freelance. Eu ofereço apoio em projetos no setor de "change management" para pequenas e médias empresas que não têm capacidade interna para fazê-lo. No momento tudo está dando certo. Gosto de ser o meu próprio chefe.

swissinfo.ch: Onde você vive atualmente e como é a vida e a cozinha?

S.T.: Nós vivemos em Fort Bonifacio, Manila. A vida é muito diferente do que na Suíça. As pessoas são extremamente simpáticas, carinhosas e acolhedoras. A cultura é muito orientada à família. Sempre existe uma razão para festejar. A hospitalidade é uma prioridade. As pessoas têm pouco, mas gostam de compartilhar o que tem. Não estávamos acostumados a isso.  

Selina 2

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A post shared by ST (@expat_in_manila) on

Selina com o seu marido australiano Paul na Oktoberfest das Filipinas.

Para a maioria das pessoas a vida aqui não é fácil, porém ela é marcada por uma atitude positiva. Isso contamina. A gente começa a não levar tão a sério a vida e se ocupar das coisas mais importantes na vida. As pessoas são incrivelmente pacientes e resistentes.

A cozinha não é tão especial como na Tailândia ou Japão. A comida é doce-azeda-salgada e muito gordurosa. Quase só tem carne e arroz. As pessoas adoram comida pré-cozida e fastfood.

Eu cozinho em casa da forma mais saudável possível, mas não é muito fácil. Encontrar comida fresca no supermercado é difícil e caro. Quando hoje você encontra pepino, pode ser que amanhã não encontrará mais. Não dá para planejar. Só dá para fazer um cardápio para a janta quando você está diretamente no supermercado. É preciso ser flexível…

swissinfo.ch: Você acha que é melhor viver nas Filipinas do que na Suíça?

S.T.: O clima é melhor e as pessoas são incrivelmente simpáticas, sem dúvida.

swissinfo.ch: Qual é a maior diferença em relação à Suíça?

S.T.: O transito. Com exceção dos ônibus interurbanos e os "jeepneys", praticamente não existe transporte público. Por vezes você gasta uma hora ou mais para percorrer quatro quilômetros. Caminhar é, por vezes, mais rápido, mas as vezes você tem compromissos e não dá para chegar toda suada.

O país é extremamente povoado. A infraestrutura não dá conta. Por isso é preciso fazer fila para tudo e em todos os lugares, até mesmo tirar dinheiro em um caixa automático. É difícil se acostumar com a falta de consciência ecológica. Os veículos à diesel são poluentes. As coisas são embaladas três vezes em sacos plásticos e muitos jogam o copo de plástico na rua de um carro em movimento.  

Selina 3

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A post shared by ST (@expat_in_manila) on

"Infelizmente é preciso utilizar uma máscara em algumas partes das Filipinas. Quando você está acostumada ao ar puro de um dos países mais limpos do planeta, não é fácil", escreveu Selina Thomas.

swissinfo.ch: Como você pensa sobre a Suíça assim à distância?

S.T.: É impressionante como a Suíça é organizada e limpa. Tudo funciona, sem imposição. Nós vemos assim como é importante manter a infraestrutura e adapta-la segundo as necessidades. Se você não faz isso, o sistema quebra em algum momento.

A Suíça é um país incrível! Infelizmente a maioria das pessoas sofrem uma grande pressão de produtividade, o que naturalmente não facilita a vida. Lá impera a mentalidade do "eu em primeiro lugar".

swissinfo.ch: Como é a situação política nas Filipinas, especialmente no governo do novo presidente Rodrigo Duterte? Você percebe no seu dia a dia o combate ao consumo de drogas?

S.T.: Aqui onde vivemos, não percebemos nada. Porém cada um sabe que é melhor estar distante das drogas.

swissinfo.ch: Você se interesse pela política nas Filipinas?

S.T.: Eu tento me informar, mas é difícil. A imprensa local não é muito livre e a ocidental não é muito objetiva, especialmente quando está informando sobre o Duterte. Eu não tinha consciência que a imprensa ocidental publica tanto lixo como as outras. É incrível ver a quantidade de notícias inventadas que elas publicam sobre o Duterte.

Eu não compreendo como ele pode ser retratado como um monstro e por que ninguém escreve algo positivo sobre ele (por exemplo, a sua luta contra a corrupção ou seus projetos de planejamento familiar, já que contraceptivos eram um pecado até o ano passado). Ele também quer melhorar a situação no trânsito, e outros.

É um tema polêmico, mas eu tenho consciência que ele tem um incrível apoio por parte da população.

swissinfo.ch: Você participa das votações e eleições na Suíça?

S.T.: Sim.

swissinfo.ch: O que você mais sente falta da Suíça?

S.T.: O ar puro. De poder beber água da torneira, da comida saudável, dos transportes públicos e, obviamente, da minha família e meus amigos. 

As opiniões expostas neste artigo, dentre outras sobre os países de acolho e a política local, são de inteira responsabilidade da pessoa retratada e não refletem necessariamente a opinião da swissinfo.ch.

Aqui termina o infobox

Selina 4

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A post shared by ST (@expat_in_manila) on

Você é suíço e vive no exterior? Marque no Instagram as suas fotos com o hashtag #WeAreSwissAbroadLink externo.

Aqui termina o infobox



Adaptação: Alexander Thoele, swissinfo.ch (entrevista realizada por escrito)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.