Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Maerki Baumann Banco suíço adota o risco da tecnologia blockchain

Sede do banco Maerki Baumann

A sede do banco Maerki Baumann fica na elegante Schanzengraben de Zurique.

(© Michael Reinhard)

Em um momento de crescente pressão sobre os bancos privados suíços, alguns estão se voltando para tecnologias revolucionárias, como a blockchain, para aumentar suas perspectivas. Entre eles encontra-se o banco Maerki Baumann, que está abraçando totalmente a ascensão dos ativos criptográficos para dar vida nova ao seu modelo de 87 anos.

O banco privado sediado em Zurique se viu em uma encruzilhada depois de descarregar ativos não declarados no exterior e recuar para seus principais mercados da Suíça e da Alemanha. A empresa enfrentou o duplo desafio de crescer seus atuais CHF 8 bilhões ($8,2 bilhões) de ativos sob gestão em um mercado menor e rejuvenescer sua base de clientes (metade de seus clientes existentes tem mais de 70 anos e apenas 5% têm menos de 40).

A Maerki Baumann está apostando na crescente indústria de blockchain da Suíça para fornecer as soluções. O CEO Stephan Zwahlen disse à swissinfo.ch que "concorrência intensa e erosão de margens" forçou o banco a procurar "fontes alternativas de receita".

Quando no ano passado foi divulgada a notícia de que o banco estava interessado no negócio de criptografia, as demandas começaram a inundar o banco. "No nosso negócio tradicional, normalmente temos de correr atrás de cada cliente", disse Zwahlen. "É um trabalho árduo e bastante raro os clientes baterem à nossa porta."

"De repente, tínhamos 400 pessoas querendo conversar conosco. E era exatamente o tipo de pessoas que estávamos lutando para acessar há 10 anos com ofertas tradicionais de bancos privados. Descobrimos que eles tinham tipicamente entre 30 e 40 anos de idade, eram muito bem educados e com uma mentalidade empreendedora".

Interesse crescente

Isso convenceu Zwahlen e sua equipe de que estavam no caminho certo. "Temos a ambição de ser o banco privado especializado na área de criptografia suíça", disse ele.

Outra coisa também se destacou. A maioria dos empresários suíços de blockchain estava batendo a cabeça contra a parede, tentando encontrar serviços bancários domésticos para suas empresas nascentes. "É um absurdo que empresas suíças inovadoras tenham que ir ao Liechtenstein para serviços bancários corporativos", disse Zwahlen. "Muitas delas representam uma grande oportunidade para desenvolver ainda mais o nosso centro financeiro."

Maerki Baumann CEO Stephan Zwahlen

(Maerki Baumann)

Maerki Baumann não é o único banco suíço que procura entrar no crescente cenário de blockchain na Suíça. Os bancos privados Falcon, Vontobel, Julius Bär, Zarattini e Swissquote estão se unindo a especialistas em criptografia para oferecer opções de negociação e armazenamento de ativos.

Outros, como o Hypothekarbank Lenzburg, anunciaram que suas portas estão abertas para empresas blockchain, enquanto um punhado de novas empresas de bancos criptográficos estão solicitando licenças bancárias. Mas, até agora, elas não conseguiram preencher a lacuna de serviços bancários básicos na Suíça.

Maerki Baumann, portanto, deu o passo incomum para um banco privado de oferecer contas bancárias corporativas para start-ups. Esse é o tipo de negócio geralmente associado às agências de rua, como os bancos cantonais.

Em uma primeira fase, aprovada pela diretoria em março, o banco oferece contas comerciais e consultoria para empresas iniciantes na captação de capital por meio de ações digitais que podem ser oferecidas diretamente ao público (as chamadas "ofertas de token de segurança"). No início do próximo ano, a empresa planeja estabelecer uma parceria com especialistas em moedas eletrônicas para fornecer serviços terceirizados de armazenamento e comércio para empresas como a bitcoin.

Nada de depósitos em bitcoin

Uma terceira vertente, a ser acrescentada mais tarde, são os serviços de consultoria e de gestão de ativos para clientes do setor bancário privado que pretendam investir na onda prevista de novas classes de ativos criptográficos, tais como ações tokenizadas e outros investimentos. A ideia é que os empresários que fazem grandes investimentos e constroem uma fortuna permaneçam na empresa para satisfazer as suas necessidades de banco privado.

"Eu esperaria que, com o tempo, os ativos digitais, como a criptografia/blockchain, pudessem até assumir uma importância maior do que nosso negócio bancário privado tradicional, especialmente em termos de crescimento de ativos", disse ele.

Mas, como muitos bancos tradicionais mergulhando os dedos dos pés na blockchain, Maerki Baumann tem uma abordagem não-interventiva para levar moedas criptográficas como o bitcoin para seus livros contábeis. Além da volatilidade dos preços e das duras restrições que seriam impostas pelo regulador financeiro, Zwahlen aponta para a estratégia geral de seu banco.

"Nosso modelo de negócios já terceiriza todos os processos de negociação, compensação e liquidação, porque eles agregam pouco valor aos nossos clientes. Não seria sábio, do ponto de vista estratégico, começar isso internamente novamente, já que temos apenas capacidades limitadas de negociação e back office", disse ele.


swissinfo.ch/ets

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.