Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Plebiscito cantonal Cantão do Ticino proíbe a burca em espaços públicos

O idealizador da iniciativa, Giorgio Ghiringhelli, festeja a aprovação nas urnas.

(Keystone)

O Ticino é o primeiro cantão (estado) da Suíça a proibir o porte da burca ou o nikab (véu que cobre o rosto e só revela os olhos) em espaços públicos. Uma iniciativa acaba de ser aprovada pela maioria dos eleitores. Analistas não sabem se Parlamento helvético terá que aprovar a medida.

No total, 65,4% dos eleitores do cantão do Ticino aprovaram no plebiscito de domingo (12 de setembro) um novo artigo na constituição local, na qual se prevê a proibição do porte de trajes que cobrem o rosto da pessoa em espaços públicos. Também uma contraproposta lançada pelo Parlamento foi aprovada por 59,8% dos eleitores. Ela prevê a inclusão da regra apenas nas leis gerais e não na própria constituição.

Na questão de escolha - iniciativa ou contraproposta - os resultados foram o seguinte: 52,4% aprovaram a iniciativa e 36,7% a contraproposta. Isso significa que a iniciativa popular predominou. A participação no plebiscito foi de 46%.

O resultado correspondeu aproximadamente ao plebiscito de 2009, quando a questão da proibição da construção de novos minaretes foi lançada e aprovada nas urnas em nível federal. Na época, 68,1% dos eleitores do cantão do Ticino defenderam a interdição.

Responsáveis satisfeitos

O idealizador da iniciativa, o ex-jornalista Giorgio Ghiringhelli, 61 anos, mostrou-se satisfeito a decisão popular. "Assim fazemos história", declarou à swissinfo.ch. O Ticino se torna, com os resultados, o primeiro cantão a proibir a cobertura de rosto. Mesmo canais de televisão da Rússia estavam presentes para entrevistar Ghiringhelli.

O ativista ressaltou o caráter preventivo da medida, já que praticamente não existem mulheres utilizando burca ou o nikab nos espaços públicos do cantão. Muito raramente se veem turistas originárias de países muçulmanas.

Ghiringhelli justifica sua campanha como um símbolo contra "o islamismo militante". Ele espera que o voto dado no Ticino possa influenciar outros cantões.

Mancha na imagem

Já o advogado e ex-procurador Paolo Bernasconi, que coordenou uma campanha de duplo "não" às propostas, não esconde sua insatisfação. Em sua opinião, os resultados mancham a imagem do cantão. "Essa proibição é absolutamente ridícula."

Porém Bernasconi não se surpreende com os resultados. "O cantão do Ticino tende cada vez mais à direita e falta uma verdadeira oposição", afirmou. Mesmo um comitê em prol do duplo "não" deixou de existir. Agora o ativista pretende trabalhar para que o Parlamento helvético vete a mudança constitucional.

Problemas de aplicação

Ainda não está claro como as autoridades judiciais irão colocar em prática a medida aprovada pelos eleitores. Até então, a polícia local não recebeu nenhuma instrução. A nova lei prevê multas pecuniárias em caso de infração.


Adaptação: Alexander Thoele, swissinfo.ch

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.