Cantões suíços devem acompanhar medidas aplicadas no Ticino

As máscaras estão em falta na Suíça © Keystone / Gaetan Bally

O Ministério da Saúde (BAG) declarou na quinta-feira (12.03) que as medidas de alerta introduzidas pelo cantão do Ticino poderão ser estendidas ao resto da Suíça.

Este conteúdo foi publicado em 12. março 2020 - 08:34

Já na quarta-feira, o cantão do Ticino, que faz fronteira com a Itália, declarou estado de alerta por causa da pandemia de coronavírus. A medida fica em vigor até o final de março, mas ainda não vai fechar os estabelecimentos de ensino superior ou de formação profissional.

Mapa dos casos de Coronavírus na Suíça

Conteúdo externo

Entre as 12 medidas introduzidas no Ticino está uma que desencoraja as pessoas com mais de 65 anos de idade de cuidarem de crianças ou de utilizarem transportes públicos. Os restaurantes também foram aconselhados a limitar o número de lugares a 50 pessoas no máximo.

Também na quarta-feira, o governo suíço fechou nove postos de fronteira com a Itália - onde há mais de 12.000 casos e mais de 800 pessoas morreram. O movimento foi concebido para controlar e monitorar melhor o fluxo de trabalhadores do país vizinho. No entanto, o governo resistiu ao fechamento total da fronteira.

"O resto da Suíça irá certamente seguir o que está sendo feito no Ticino. A onda de contaminação chegou à toda a Suíça", declarou Daniel Koch, responsável pelo setor de doenças infecciosas no Ministério suíço da Saúde (BAG, na sigla em alemão) à rádio pública SRF

Koch reiterou a importância de proteger idosos e doentes crônicos. "Pois o vírus é muito perigoso para eles. Eles necessitam de hospitais e se você tem muitos pacientes no país, não haverá mais capacidade de atendê-los", declarou, ressantando que as decisões em questões ligadas à saúde são tomadas em nível cantonal (governo estadual) e não federal. 

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo