Navigation

Suíça cria comitê para reparações por escravidão

O fato de não ter saída para o mar não impediu a Suíça de fazer parte do chamado triângulo do tráfico de escravos, ligando a África Ocidental, as Américas e a Europa. Ernst Würgler


Um historiador suíço apoiado por dezenas de figuras públicas lançou um comitê que defende a reparação por atividades ligadas à escravatura no contexto da Suíça. 

Este conteúdo foi publicado em 10. dezembro 2019 - 09:02

Os partidáriosLink externo do Comitê Suíço de Reparação da Escravatura (SCORES) acreditam que as reparações devam ser negociadas através do diálogo entre aqueles que se beneficiaram do comércio transatlântico de escravos e os descendentes das vítimas. 

"O secular crime humano de escravidão no âmbito da exploração das colônias americanas pela Europa exige reconhecimento e reparação não material e material", argumenta o grupo. "Isso também se aplica à Suíça, que, como área social, econômica, ideológica e cultural, participou e lucrou com esse sistema entre os séculos XVI e XIX."

O historiador Hans FässlerLink externo, porta-voz da SCORES, anunciou a criação desta comissão durante uma apresentação na segunda-feira, no escritório das Nações Unidas em Genebra. 

Opinião oficial 

Empresas comerciais suíças, bancos, cidades-estado, empresas familiares, contratantes, mercenários, soldados e particulares, todos lucraram com o comércio de escravos. Links suíços específicos para o comércio de escravos, alguns dos quais anteriores à nacionalidade, estão documentados no site louverture.chLink externo

Por exemplo, entre 1719 e 1734, a cidade de Berna, bem como duas casas bancárias - "Malacrida" e "Samuel Muller" - detinham ações da South Sea Company, que mantinha depósitos de escravos em Barbados e enviou cerca de 20.000 escravos da África para o Novo Mundo.  

A escravatura também desempenhou um papel no estabelecimento da indústria têxtil da SuíçaLink externo.

O governo suíço, note-se, sempre defendeu que a Suíça como um Estado-nação nunca esteve envolvida na escravidão nem foi uma potência colonial. 

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.