População muçulmana na Suíça deve continuar crescendo

Keystone

A população muçulmana na Europa continuará a crescer nas próximas décadas, mesmo se a imigração para o continente for interrompida, de acordo com um estudo. 

swissinfo.ch

O relatório Pew Research Center, publicado na quinta-feira (30), modelou três cenários para estimar o número de muçulmanos que viverão na Europa até 2050. Todos os três usaram uma estimativa de 25,8 milhões de meados de 2016 como base, mas previram diferentes taxas de imigração para o futuro.

No cenário "imigração zero", estima-se que 30 milhões de muçulmanos representariam 7,4% da população da Europa em 2050, em comparação com 4,9% no ano passado, prevê o relatório. Os pesquisadores explicam que os muçulmanos são, em média, 13 anos mais novos do que outros europeus e têm uma taxa de natalidade mais elevada.

Sob este cenário, a população muçulmana suíça aumentaria de 6,1% em 2016 para 8,2% em 2050, ou seja, entre 500.000 e 660.000.

O estudo estima que 58,8 milhões de muçulmanos representariam 11,2% da população em um cenário de "imigração média" que manteria uma "velocidade regular" - definida pelos pesquisadores como uma imigração motivada por razões econômicas, educacionais e familiares - mas sem pedir asilo como refugiado.

Under the “medium migration” scenario, the Swiss Muslim population would increase to 1,140,000 (10.3%) in 2050. 

No cenário de "alta imigração", o estudo projeta que o fluxo recorde de imigrantes para a Europa de 2015 e 2016 continuaria indefinidamente, resultando em 75 milhões de muçulmanos no continente, um aumento de 14%, em meados do século.

Sob o cenário da "alta imigração", a população muçulmana suíça aumentaria para 1.500.000 (12,9%) em 2050.

Mesmo nessa hipótese, os muçulmanos "ainda seriam consideravelmente menos que as populações de cristãos e pessoas sem religião na Europa", concluíram os pesquisadores.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo