Suíça relembra a avalanche de Reckingen e o ‘milagre do bercinho'

swissinfo.ch/keystone

Em 24 de fevereiro de 1970, uma avalanche varreu a vila de Reckingen, matando 30 pessoas. Embora continue sendo a avalanche mais mortal da história recente da Suíça, ela também ficou marcada pelo "milagre do bebê no berço".

swissinfo.ch/Keystone-SDA

Ursula Carlen, de um ano de idade, "montou a avalanche de neve como uma prancha de surf em uma onda", de acordo com relatos iniciais. Embora o prefeito tenha desmentido esses rumores imediatamente, certamente foi um milagre que aconteceu há exatamente 50 anos.

Às 05:05 da manhã, cerca de 1,8 milhão de metros cúbicos de neve caíram do Bächi Alp, no cantão do Valais, e desceram o vale. Quando a neve atingiu a casa dos Carlens, o telhado desabou, pousando sobre a cama e protegendo a jovem Ursula. Uma hora e meia depois, seu tio a ouviu soluçar e desenterrou-a. Seus dois irmãos não tiveram a mesma sorte. Eles estavam entre as seis crianças, cinco mulheres e 19 oficiais do exército que se hospedavam na mesma cabana, e morreram.

Equipes de resgate em cima das cabanas cobertas de neve, procurando por vítimas Keystone

Nos dias anteriores, fortes nevascas e ventos severos criaram camadas de neve de até seis metros. A situação era instável e, como os moradores mais velhos alertaram, perigosa. Nos dois dias anteriores ao desastre, o topo da montanha Honiggistein não podia ser visto de Reckingen. "Quando isso acontece, a vila está em perigo", disseram eles.

Em 1749, uma avalanche no vale (Bächital) havia enterrado o vicariato e matado três padres e uma empregada. Desde então, nenhuma avalanche havia atingido mais a vila, o que encorajou algumas pessoas a construir casas na parte oeste do vilarejo - apesar das advertências de moradores mais velhos.

Resgate e culpa 

Inicialmente, o exército foi responsabilizado pelo desastre. Aviões supersônicos teriam movido a neve, disseram os habitantes locais. Esses vôos não haviam ocorrido, disseram os militares. Mas houve um exercício de tiro antiaéreo no dia anterior, disseram os moradores. "É muito improvável" que o ruído resultante tenha causado o movimento da neve, disseram especialistas, que culparam a neve e o vento.

De qualquer forma, os militares estacionados na vizinha Gluringen foram uma bênção. Quarenta minutos após a avalanche, chegaram os primeiros ajudantes. Dezenove pessoas foram retiradas vivas em 90 minutos, embora algumas gravemente feridas.

O esforço de resgate envolveu 950 equipes, 13 cães de avalanche, 14 máquinas de construção pesada e três helicópteros. Levaram quatro dias para encontrar o último corpo. Uma vítima morreu mais tarde no hospital.

O funeral das vítimas locais aconteceu em 28 de fevereiro de 1970 Keystone

As emoções em Reckingen eram uma mistura de tristeza, medo, consternação e impotência. Além disso, a avalanche sacudiu uma Suíça já abalada, três dias antes, por um atentado que matou 47 pessoas em um avião da Swissair.

No domingo e na segunda-feira, dois serviços comemorativos serão realizados no município de Goms, que havia sofrido avalanches fatais em 1827 (52 mortes) e 1720 (84 mortes).

Serão colocadas grinaldas e o prefeito de Goms disse que muitos sobreviventes, equipes de resgate e representantes do exército são esperados para o serviço.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo