Navigation

Mestre chocolateiro nega ser homofóbico e misógino

As posições de Johannes Läderach deixaram um gosto amargo na clientela Keystone

Johannes Läderach, cristão evangélico e CEO da fabricante de chocolates premium, defendeu sua oposição ao casamento entre pessoas do mesmo sexo e ao direito da mulher de fazer um aborto - apesar dos pedidos de boicote.

Este conteúdo foi publicado em 22. janeiro 2020 - 13:00
swissinfo.ch

"Entendo que se as pessoas valorizem o direito de uma mulher de escolher mais do que o direito à vida de um feto. Mas peço compreensão pela minha opinião”, disse Läderach, 33 anos, ao jornal NZZ am SonntagLink externo no domingo. "Tenho direito a uma opinião diferente."

Até agora, este apelo não deu certo. Os pedidos de boicoteLink externo foram feitos por associações LGBTQ e ativistas políticos. Em outubro, uma loja em Basileia teve que ser evacuada após um ataque a bomba. Em dezembro, casais do mesmo sexo se abraçaram e se beijaramLink externo do lado de fora de uma filial da Läderach em Zug.

"Era sobre nós, como clientes, querendo chamar a atenção para o nosso descontentamento com a homofobia descarada", disse o organizador do flashmob e o político cantonal Rupan SivaganesanLink externo. "Poucas pessoas conhecem a posição da gerência da empresa."

“Ninguém na Läderach é homofóbico - nem a gerência nem a equipe”, protestou Johannes Läderach. “Temos homossexuais trabalhando para nós. Nós não perguntamos sobre isso. Läderach tem uma política de tolerância zero em relação à discriminação.”

‘Não sou misógino’ 

Johannes Läderach assumiu o comando de seu pai, Jürg, em 2018. Jürg Läderach também foi presidente do ramo suíço do movimento Christianity for TodayLink externo (cristianismo para hoje), que até recentemente era conhecido como Christians for Truth (cristãos pela verdade), desde 1994. O secretário da associação, Walter Mannhart , é chefe de compras da Läderach.

O Christianity for Today fez campanha contra uma série de questões, incluindo suicídio assistido, sexo antes e fora do casamento, casamento entre pessoas do mesmo sexo, pornografia, contra a ópera Jesus Christ Superstar e Harry Potter, de acordo com uma reportagem do diário zuriquenho Tages-AnzeigerLink externo em setembro.

Jürg Läderach também é tesoureiro da associação anti-aborto March for LifeLink externo (marcha pela vida). Em setembro, a polícia foi atacadaLink externo, e alguns policiais feridos, em uma manifestação do March for Life em Zurique, quando manifestantes e contra-manifestantes entraram em confronto.

"O Sr. Jürg Läderach não está disponível para perguntas particulares", disse o chefe de comunicações da Läderach ao Tages-Anzeiger.

Seu filho mais velho, também membro do Christianity for Today, disse ao NZZ am Sonntag que "só porque luto pela vida não-nascida, sou acusado de misoginia. Mas não sou um misógino - 60% dos nossos gerentes são mulheres ”.

‘Atos de vandalismo’ 

A empresaLink externo, fundada pelo avô de Johannes no cantão de Glarus, leste da Suíça, em 1962, abriu recentemente filiais em Nova York, Toronto e Londres, "que operamos e fornecemos da Suíça", disse Johannes Läderach.

A Läderach não é a primeira empresa a sentir a pressãoLink externo depois que os chefes fizeram comentários que muitas pessoas consideram homofóbicos, mas, como não é uma empresa listada em bolsa de valores, não precisa publicar seus números.

“Os negócios continuaram crescendo em 2019, mas temos clientes que não compram mais de nós. No entanto, novos clientes entraram na loja, lamentando que um conflito estivesse ocorrendo às costas dos funcionários ”, disse ele ao NZZ am Sonntag, referindo-se aos boicotes.

Ele também negou que a má publicidade estivesse afetando o moral da equipe. "Nenhum funcionário saiu da empresa desde a onda de críticas contra mim".

No entanto, ele se arrependeu de "atos de vandalismo" em sete lojas. “Aceito que minhas opiniões provoquem resistência. Mas não é aceitável que os funcionários tenham que viver com medo".

Apesar disso, Johannes Läderach diz que não vai mudar de opinião nem dar as costas às organizações cristãs.

"Não quero parar de lutar pelos meus valores cristãos apenas porque estamos tendo sucesso como empresa", disse ele. "Em última análise, o que conta não é o lucro que obtemos, mas se mantemos nossas convicções".


Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.