Alunos imigrantes na Suíça apresentam bom desempenho

Um novo relatório mostra que os adolescentes imigrantes das escolas suíças têm bons resultados, estão satisfeitos com a vida e são mais motivados do que seus colegas de classe suíços. Mas eles se sentem menos integrados do que uma década atrás.

Este conteúdo foi publicado em 20. março 2018 - 11:30
SDA-ATS
O estudo centrou-se em jovens de 15 a 16 anos do ensino médio em todo o mundo Keystone

O relatório foi publicado na segunda-feira (19) pela Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), com sede em Paris, e compara as estatísticas de 2015 sobre o desempenho dos alunos adolescentes com uma visão geral mais recente dos estudantes imigrantes.

No desempenho, os resultados indicam que os jovens de 15 a 16 anos de origem estrangeira das escolas suíças ficam na média, cerca de 58% demonstram competência nos três temas principais de língua, matemática e ciência.

O número é um pouco acima da média europeia e internacional, embora pareça tênue em comparação com países de alto desempenho, como Singapura (91%), Macau (88%), Hong Kong (84%) e Canadá (82%).

+ sobre a educação suíça

Os alunos também foram questionados sobre sua motivação e o ambiente. Nesses quesitos, 46% dos alunos imigrantes na Suíça disseram que estavam "motivados" ou "bastante motivados", o que é muito abaixo da média europeia de 66%, mas muito acima do magro um terço dos estudantes suíços que admitiram estar motivados.

Neste ponto, os alunos suíços e estrangeiros, quando reunidos, tornam a Suíça o país do mundo com menos motivação entre os jovens de 15 a 16 anos, mostram as estatísticas da OCDE, embora a tendência seja complexa.

Por fim, quando se trata de integração de estudantes estrangeiros nas escolas suíças, 54% disseram que se sentem "encaixados". Ainda uma maioria, embora tenha caído 17 pontos percentuais desde 2003.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo