Como as escolas e alunos estão se virando com o isolamento

Os pais estão tendo que assumir o papel de professor Valeriano Di Domenico


Já se passaram quatro semanas desde que as escolas suíças foram fechadas em todo o país para ajudar a deter a propagação do coronavírus. Professores, alunos e pais tiveram de se adaptar rapidamente ao ensino em casa. Um desafio para todos.

O anúncio sem precedentes do governo, em 13 de março, de que todas as escolas fechariam a partir da segunda-feira seguinte até 19 de abril, embora tenha sido sugerido de antemão  ainda foi um choque. Em alguns cantões, a medida continua até ao final do mês. 

No dia 8 de abril, o governo disse que as restrições nacionais anti-coronavírus seriam prorrogadas até 26 de abril, mas que há planos para um afrouxamento gradual de algumas medidas a partir do final do mês. O governo disse que iria discutir o que seria contemplado na sua próxima reunião, em 16 de Abril. O Ministro do Interior, Alain Berset, disse, no entanto, que as escolas estavam no meio da lista e que "as escolas primárias seriam tratadas de forma diferente das universidades". O objetivo é sair o mais depressa possível sem pôr em perigo o desenvolvimento favorável à saúde".

Entretanto, cerca de um milhão de crianças e jovens estão atualmente afetados pelo fechamento de escolas.

Escolas: uma rápida reviravolta

Professores e escolas têm trabalhado 24 horas por dia para encontrar soluções para a aprendizagem à distância, uma vez que cada escola precisa achar uma solução adequada à cada idade para fornecer conteúdos de aprendizagem à distância e manter-se em contato com os seus alunos, explicou Beat A. Schwendimann, membro da direção da Federação de Professores Suíços de Língua Alemã (LCH).

"Muitos professores agora realizam videoconferências diárias com seus alunos, enviam material eletronicamente ou pelo correio, e indicam atividades que os alunos podem fazer em casa", disse ele à swissinfo.ch por e-mail.

"A situação atual revela que nem todas as escolas e professores estão igualmente bem preparados para a aprendizagem à distância". Enquanto algumas escolas já utilizam ferramentas de ensino baseadas em tecnologia há algum tempo, outras escolas têm de recuperar o atraso na construção das suas infra-estruturas e na formação dos seus professores".

Na semana passada, tanto as instituições públicas como as empresas começaram a oferecer formação e apoio telefônico e online para professores, acrescentou.

Ajuda à mão

A Universidade de Schwyz de Formação de Professores, por exemplo, criou a plataforma LernenTrotzCorona (aprendizagem apesar da corona, em alemão), na qual especialistas colocaram conselhos sobre temas como a estruturação do trabalho escolar durante o ensino à distância ou ideias para projetos. A procura tem sido elevada por parte de professores, pais e alunos. (250.000 acessos em 14 dias).

O sindicato suíço dos professores francófonos indicou também recursos úteis, enquanto Rahel Tschopp, diretora do centro de educação de mídia e ciência da computação da Universidade de Formação de Professores de Zurique, criou uma linha direta gratuita que oferece aconselhamento aos professores sobre aulas e gestão do trabalho doméstico. O centro conta com 15 pessoas ao telefone e a procura também é elevada, disse ela à televisão pública suíça SRF.

Outra ponto complicado é a questão dos exames, que é especialmente importante para os estudantes no seu último ano de escolaridade. Uma decisão política e coordenada deve ser tomada em breve em relação aos exames e às graduações, acrescentou Schwendimann. Alguns cantões decidiram realizar exames de acordo com as condições de distanciamento social impostas pelas autoridades de saúde, mas não os exames orais, por exemplo.

O front doméstico

Os pais relatam que seus filhos estão conseguindo fazer o trabalho que lhes foi atribuído, mas que existem desafios. Os alunos da escola primária recebem folhas de trabalho pelo correio ou têm vindo a recolhê-las na escola (em horários escalonados e marcados para evitar o contato com outros alunos). Alguns alunos já estão usando as ferramentas online existentes. As crianças do jardim-de-infância recebem "trabalhos de casa", tais como exercícios regulares de contagem ou de aprendizagem de canções. Os professores mantêm-se em contacto através do WhatsApp, e-mail e telefone.

Em geral, os pais ficaram impressionados com a diligência dos seus professores: por exemplo, um dos pais informou que tinha uma comunicação da escola na noite em que os encerramentos foram anunciados, dizendo que haveria aulas à distância a partir da quarta-feira seguinte.

Os principais desafios eram a quantidade de supervisão necessária para as crianças mais novas enquanto aprendem e a dificuldade dos pais que trabalham a adaptar seus horários à nova situação. "É cansativo", concordam vários pais.

Os alunos mais velhos estão tendo aulas virtuais o que significa entrar num aplicativo de conferência a uma determinada hora (e ser advertido se perder a hora!). Os alunos dizem que tiveram de se adaptar muito rapidamente a essa nova forma de trabalhar. Há relatos de falhas de software quando todos estão online ao mesmo tempo, utilizando a mesma ferramenta, e muito tempo gasto escaneando seus trabalhos e enviando-os por e-mail. Uma aluna disse que leva menos tempo agora para aprender uma nova matéria porque se encontra mais concentrada.

Além disso, muitas crianças sentem falta dos seus amigos e das suas atividades habituais. "Os meus filhos dizem que preferiam estar na escola", admitiu um dos pais à swissinfo.ch.

No entanto, outro pai relatou que os seus filhos estavam aprendendo de forma mais independente do que antes, o que eles consideram ser uma habilidade útil para o mundo do trabalho.

Quanto tempo vai durar?

O ensino à distância pode muito bem ser algo a que pais, professores e alunos terão de se habituar - dado que o coronavírus ainda está ainda bem presente na Suíça.

Silvia Steiner, responsável pela educação em Zurique e diretora da conferência cantonal de diretores de educação - os cantões são responsáveis pelos assuntos educativos na Suíça, razão pela qual o fechamento nacional ordenado pelo governo foi tão excepcional - já sugeriu que os fechamentos poderiam durar mais tempo - talvez até o verão.

"Estamos a planejar para estarmos prontos se as medidas forem prorrogadas", disse ela ao jornal dominical NZZ am Sonntag em meados de março. Os cientistas apontam 3 a 4 meses para uma atenuação da pandemia, disse.

A imprensa tinha sugerido que haveria um anúncio sobre as escolas antes da Páscoa, mas não foi feita nenhuma comunicação nesse sentido. Mais informações poderão vir depois do Conselho Federal discutir a flexibilização de certas medidas anti-coronavírus na sua próxima reunião de 16 de abril.

Os peritos já levantaram a perspectiva de perda de aprendizagem, devido à falta de uma escolaridade regular. Outra questão é que nem todos os alunos têm acesso às condições adequadas e ao apoio dos pais para o ensino em casa.

Entretanto, parece que a aprendizagem digital veio para ficar depois da passagem do coronavírus. Tschopp, da linha direta dos professores, observou uma mudança de atitude de seus colegas em relação à educação digital, o que pode dar algum impulso para o futuro. "Muitos começam realmente a pensar: como posso fazê-lo de forma diferente do que antes?". disse Tschopp.

Como está sendo o ensino à distância das crianças no seu país? Deixe-nos um comentário abaixo. Suas experiências podem valer uma matéria nossa.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo