"A ciência ganhará o debate sobre o clima"

Na abertura do congresso mundial do clima em Genebra, o ministro suíço do Interior, Alain Berset, visou os céticos em relação às mudanças climáticas.

Este conteúdo foi publicado em 04. junho 2019 - 15:18
Para o ministro Alain Berset, os "especialistas autoproclamados" do clima não querem aceitar o que é evidente © Keystone / Salvatore Di Nolfi

"Os tempos são difíceis para a evidência científica", disse Berset, na segunda-feira (3), na abertura do evento organizado pela Organização Meteorológica Mundial (OMM), sediada em Genebra.

No entanto, segundo o ministro suíço, aqueles que espalham as “sementes da dúvida" são incapazes de respaldar suas reivindicações, nem mesmo com declarações de "especialistas autoproclamados", e estão fugindo da evidência de que a mudança climática foi provocada pelos seres humanos.

"A razão ganhará no final", disse Berset.

Com mais de 60 milhões de pessoas diretamente afetadas por situações climáticas extremas em 2018, e com a Suíça prestes a sofrer mais do que a média no futuro, ele também pediu uma OMM "forte" que possa ter sucesso em seus esforços para incentivar as nações a levar a questão climática mais a sério.

MeteoSwiss, o departamento federal de meteorologia e climatologia, representa os interesses do país na OMM e tem contribuído em várias iniciativas nos últimos anos para melhorar o acesso a dados e conhecimento, particularmente para os membros dos países em desenvolvimento com menos recursos.

Por sua vez, o Secretário-Geral da OMM, Petteri Taalas, lamentou que a queda de 16% no orçamento da organização nas últimas décadas torne essas tarefas mais difíceis.

A reunião deverá continuar durante quase duas semanas, durante as quais serão decididas várias reformas para orientar o trabalho da OMM ao longo da próxima década, principalmente uma nova estrutura de governança que reunirá peritos em hidrometeorologia e clima em torno da mesma mesa.


Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo