Navigation

Paranal, um olho gigante no Universo

O observatório do Cerro Paranal fica a 2637 metros de altitude. Gordon Gillet/ESO

No meio do deserto mais árido do mundo se encontra um moderno complexo astronômico operado pelo ESO (European Southern Observatory), organismo do qual a Suíça também faz parte.

Este conteúdo foi publicado em 24. setembro 2011 - 12:27
Mariel Jara, Paranal (Chile), swissinfo.ch

swissinfo.ch visitou as instalações deste prestigioso observatório, localizado no norte do Chile, a 2637 metros de altitude.

São sete e meia da noite quando o observatório óptico mais avançado do mundo, o Very Large Telescope (VLT) - começa a funcionar. Pouco a pouco vão se abrindo as comportas dos quatro prédios que abrigam os principais telescópios cujo olhar estão voltados para o céu.

O VLT é na verdade um conjunto composto por quatro telescópios gigantes com espelhos de 8,2 metros de diâmetro e quatro auxiliares, de 1,8 metros de diâmetro. "Uma das suas características mais fascinantes é que estes dispositivos podem trabalhar em conjunto, permitindo a obtenção de imagens de alta resolução. Este conceito é único no seu gênero", explica o suíço Ueli Weilenmann, vice-diretor dos observatórios Paranal y La Silla.

Interligados através de um sistema de interferometria, estes instrumentos alcançam uma tal precisão que seriam capazes de distinguir os faróis de um carro localizado na lua. O equivalente a um telescópio convencional de 200 metros de diâmetro.

"Para tornar isso possível, a luz desses telescópios deve viajar através de túneis subterrâneos até o laboratório de interferometria, onde se combinam os feixes de luz", diz Weilenmann.

Com o VTL, os astrônomos já obtiveram excelentes primícias científicas, como a verificação da existência de um buraco negro supermassivo no centro da Via Láctea, a primeira imagem de um exoplaneta e o brilho da explosão dos raios gama mais distantes já vistos.

Uma "microcidade"

Os 40 astrônomos do ESO trabalham em turnos e contam com o apoio de assistentes, técnicos, administradores, bem como pessoal de manutenção, limpeza e cozinha, totalizando 120 pessoas.

As instalações de Cerro Paranal também incluem uma residência que se destaca pelo seu estilo arquitetônico inovador e conta com uma pequena clínica, uma sala de ginástica, um depósito de alimentos e até mesmo uma piscina aquecida para tornar mais "agradável" a estadia dos que trabalham aqui no meio do deserto de Atacama, a 130 km ao sul de Antofagasta, a cidade mais próxima.

"Os astrônomos ficam aqui por alguns dias e depois voltam para seus respectivos lugares, mas continuam com suas pesquisas", diz Ueli Weilenmann. É o caso do alemão Steffen Mieske, que vive em Santiago e viaja periodicamente para Cerro Paranal.

O jovem astrônomo e coordenador do grupo de pesquisa do ESO no Chile se prepara para uma jornada que será concluída após o amanhecer. "Hoje eu trabalhei na 'paranalização’ dos equipamentos". Em outras palavras, adaptar os instrumentos às características e necessidades do observatório. Um processo complexo que pode durar meses ou mesmo anos.

Todo esse trabalho é feito da sala de controle. Na astronomia moderna, os peritos não lidam diretamente com os telescópios, eles trabalham a distância, de forma automática. "Eles recebem as imagens e espectros através de computadores localizados na sala de controle, e, em seguida, observam e interpretam esses dados", explica Weilenmann.

Um céu especial para a observação

Cerro Paranal é um lugar esplêndido para observações, segundo o suíço nativo de St. Gallen que chegou ao observatório em 2004.

"Além da tecnologia, o observatório está localizado em um local com excelentes condições climáticas. A corrente de Humboldt produz um fenômeno de inversão térmica, por isso, na costa o ar é sempre úmido e frio, enquanto que na altura é seco e quente. Isso faz com que o céu seja muito transparente, com 90% dos dias sem nuvens", diz.

Weilenmann explica que a Suíça, além de contribuir financeiramente no ESO, participa com as pesquisas da Universidade de Genebra.

"Seus especialistas construíram um espectrógrafo chamado Harps que se tornou famoso na busca de planetas extra-solares e que foi usado no observatório de La Silla (norte do Chile). Temos aqui um novo projeto de espectrógrafo, o Espresso. Assim, em poucos anos teremos uma nova máquina para descobrir planetas extra-solares."

Há vida em outros planetas?

Saber de onde viemos e para onde vamos é uma das questões fundamentais da astronomia.

"Na antiguidade, esta ciência foi essencial para a sobrevivência; conhecer o movimento dos planetas e da lua para determinar o tempo de plantar e desenvolver um calendário. E, embora hoje isso tenha mudado, o homem continua interessado em compreender como o universo evoluiu e se há vida em outros planetas."

O vice-diretor dos observatórios dos cerros Paranal e La Silla acredita que nos próximos anos chegaremos mais perto de uma resposta.

"Pelo cálculo da probabilidade teríamos que admitir que o desenvolvimento da vida não é algo único ao nosso planeta. Pela simples quantidade de estrelas no universo, seria muito egoísta pensar que somos os únicos. A questão é saber que tipo de vida pode existir em outros planetas. As distâncias no Universo são tão grandes que é altamente improvável descobrir algo que nos permita entrar em contato", continua Weilenmann.

"Mas tendo instrumentos capazes de mirar milhões de anos no passado e também no futuro nos permite sonhar com a possibilidade de algum dia, por que não, encontrar um indício de vida."

Observatório Europeu do Sul

O European Southern Observatory (ESO) é a principal organização intergovernamental de astronomia da Europa.

É financiado por 15 países: Áustria, Alemanha, Bélgica, Brasil, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Itália, Holanda, Portugal, Reino Unido, República Tcheca, Suécia e Suíça.

No Chile, há três centros de observação: La Silla, Paranal e Chajnantor.

Atualmente em projeto, o European Extremely Large Telescope (E-ELT), telescópio óptico infravermelho, de quase 42 metros de diâmetro, será "o maior olho do mundo no céu" e ficará localizado no norte do Chile, bem próximo ao Cerro Paranal.

O ESO funciona de maneira semelhante à Organização Europeia para Pesquisa Nuclear (CERN), segundo Weilenmann:

"São instituições irmãs, trabalhando sob o conceito de colaboração entre os países. Em seus primeiros anos (1960), ambas eram vizinhas em Genebra e mantiveram uma parceria muito forte. Nos anos 1980, o ESO mudou-se para Garching, na Alemanha, para poder continuar crescendo."

End of insertion

Observatório de Paranal

Foi criado em 1999 sobre o Cerro Paranal, no Chile, a 2635 metros acima do nível do mar e a 12 km da costa, no deserto de Atacama, o mais árido do mundo. Geograficamente, encontra-se na região de Antofagasta, a 1370 km ao norte de Santiago.

O VLT é parte fundamental do observatório e causou um impacto inegável na astronomia mundial. Graças a ele o observatório se tornou a instalação terrestre mais produtiva do setor, com uma média de mil publicações por ano em revistas científicas de alto nível.

A forma, a instrumentação e os princípios de funcionamento do VLT definiram o padrão da astronomia atual.

Os quatro telescópios gigantes do VLT foram batizados com nomes mapuches, povo oriundo do sul do Chile: Antu (Sol), Yepun (Vênus), Kueyen (Lua) e Melipal (Cruzeiro do Sul).

Além dos telescópios gigantes, este centro dispõe de quatro telescópios auxiliares menores, montados em trilhos para se movimentarem entre estações de observação bem definidas.

End of insertion

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.