Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Produção sustentável Nestlé não cumprirá objetivo de reduzir deflorestamento a 100%

palm oil

Cerca de 20% do óleo de palma utilizado pela Nestlé é produzido por pequenos agricultores. 

(Keystone / Hotli Simanjuntak)

Quando foi atacada por grupos ambientalistas pela ampla utilização de óleo de palma em seus produtos, a gigante alimentar suíça Nestlé comprometeu-se a eliminar a desflorestação da sua cadeia de abastecimento no ano até o ano que vem. Mas serão necessários ainda mais três anos para chegar perto desse objetivo.

O ano de 2010 foi um ano difícil para a Nestlé. Em março daquele ano, o grupo de ativistas ambientais Greenpeace colocou no YouTube um vídeo perturbadorLink externo que equiparava o ato de comer uma barra de chocolate KitKat - uma marca propriedade da Nestlé - à morte de orangotangos. Em parte como resultado da campanha e da resposta do público à mesma, a empresa cortou temporariamente os seus laços com o controverso fornecedor indonésio de óleo de palma Sinar Mas e comprometeu-se a pôr fim à desflorestação na sua cadeia de abastecimento até 2020.  

No entanto, a Nestlé admitiu recentemente que não será capaz de cumprir esse prazo. Em vez disso, a empresa terá que se contentar com uma cadeia de suprimento livre de desmatamento de 90% até o final do próximo ano.  

"Os 10% restantes serão alcançados e continuaremos nossos esforços para chegar perto de 100% nos próximos três anos", disse Benjamin Ware, chefe global de compras responsáveis da Nestlé, à swissinfo.ch.  

Compromisso calculado  

Por que então uma empresa com mais de CHF 90 bilhões ($90,5 bilhões) em vendas no ano passado não consegue atingir sua meta de 10 anos? De acordo com a Nestlé, a culpa recai sobre outros fatores.   

Em primeiro lugar, a Nestlé obtém cerca de 20% do seu óleo de palma de pequenos agricultores que cultivam lotes de um a dez hectares. Segundo a empresa, é extremamente difícil estabelecer os limites de suas fazendas e monitorar o desmatamento com satélites.   

"Poderíamos ter tomado a opção de retirar os pequenos proprietários de nossa cadeia de suprimentos, mas não o fizemos", diz Ware.  

A empresa também diz que a maioria das cadeias de abastecimento é comum à indústria e não se dedica apenas à Nestlé.   

"Em algumas delas, somos os únicos a pedir evidência e transparência e os fornecedores não estão dispostos a oferecer isso apenas para uma empresa", diz Ware.  

Segundo a Nestlé, o problema da transparência é mais agudo na América do Sul e Central, especialmente na Guatemala, Peru, Brasil, Chile e Colômbia para commodities como açúcar, soja e óleo de palma. A multinacional não quer deixar de trabalhar com fornecedores dessa região, apesar da recusa destes em ser transparentes sobre suas cadeias produtivas.   

"Isso significa que acabaríamos favorecendo as matérias-primas da Ásia e enviando-as para o outro lado do planeta para alcançar nosso compromisso", diz Ware.  

Em maio deste ano, Ware sabia que a empresa não seria capaz de cumprir seu prazo de desmatamento zero e o assunto foi apresentado à diretoria em junho. A Nestlé poderia manter os pequenos proprietários e a América do Sul na sua cadeia de abastecimento ou cumprir a sua promessa de desmatamento zero, mas não ambos.  No final, o conselho de administração da Nestlé optou pela abordagem lenta e constante, correndo o risco de parecer pouco fiável. 

Not off the hook 

O Greenpeace concorda com a decisão da Nestlé de manter os pequenos proprietários e exigir mais transparência nas cadeias de abastecimento globais. Mas o grupo ambientalista afirma que está mais interessado nos resultados do que nas promessas.   

"O que observamos, e o que nos preocupa, é que todos os esforços da Nestlé até esta data não conduziram a uma diminuição da desflorestação e da degradação florestal nas regiões de onde a Nestlé se abastece", afirma Asti Roesle, ativista do Greenpeace Suíça.   

O Greenpeace lamenta que a multinacional continue a comprar óleo de palma e outros produtos de base, incluindo soja e cacau, de fornecedores que violam diretamente a sua política de aprovisionamento responsável (NDPE)Link externo, sem desflorestação, sem turfa e sem exploração. Os defensores também querem que a Nestlé olhe para além dos seus próprios interesses e compromissos estratégicos.   

"Acreditamos que a Nestlé, como o maior produtor mundial de alimentos, precisa se tornar parte de soluções sistêmicas que vão além das suas próprias cadeias de abastecimento", afirma Roesle. 

O Greenpeace não é o único a considerar que as empresas precisam colaborar e ajudar a reformar setores inteiros. O World Business Council for Sustainable DevelopmentLink externo, uma rede de 200 empresas (incluindo a Nestlé) que se concentra na melhoria da sustentabilidade no setor empresarial, também promove uma abordagem integrada.  

O Conselho defende que as empresas devam procurar parcerias mais profundas para tomar medidas em questões como a desflorestação.  

"Isso pode ser difícil, mas é possível", disse um porta-voz à swissinfo.ch. "No caso do desmatamento, governos devem trabalhar em estreita colaboração com empresas conscienciosas e parceiros pragmáticos da sociedade civil para abordar as causas subjacentes e os desafios complexos do desmatamento. 


Adaptação: Eduardo Simantob

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.